Pular para o conteúdo principal

Movimento de conscientização política começado por jovens da cidade de Serra da Raiz-PB, ultrapassa fronteiras, e começa a dar frutos na cidade de Ielmo Marinho-RN

Os vínculos ocultos, sempre se transformam em desejosos coletivos. O movimento de conscientização política começado por jovens na pequena cidade de Serra da Raiz-PB, ultrapassa fronteiras, e começa a dar frutos na cidade de Ielmo Marinho-RN, O jovem Pedro Torres EX Deputado Federal Jovem do Rio Grande do Norte, faz uma análise da situação em que se encontra a cidade potiguar:
 

O FANTÁTISCO ESPETÁCULO MACABRO : A CIDADE DO ABACAXI EM ESTADO DE PUTREFAÇÃO.

Num cenário de putrefação, bestializados, o povo ielmarinhese assistiu o primeiro ato do espetáculo o circo dos horrores na cidade dos abacaxis.  A cada dia acrescenta-se ao espetáculo,  macabro e cotidiano, novas tramas e novos dramas.

Nessa grande peça alguns personagens se destacam tornando-se o centro da atenções. Há os que mascaram-se de  novo,  os que são a própria novidade e os que de novo não tem nada.

No roteiro narrativas fantásticas e idealizações de uma cidade encantada marcado por um  enredo sedutor que parece hipnotizar  o público.  Indumentárias impecáveis ajudam compor o figurino, não esquecendo dos  ajudantes de palco, sem eles tudo fica incompleto.

Não há quem não aplauda:  os erros passam despercebidos, os acertos idolatrados.

O fato é que estive exilado e ao voltar para minha terra percebo-a diferente. A cidade pacata e tranquila que habita minhas memórias está agitada.  Tanta euforia porque  o espetáculo, ou melhor, parte dele será televisionado: seja na zona urbana ou na zona rural não se comentam outra coisa.

Ninguém parece entender o que está acontecendo. Ielmo Marinho na televisão? Há os que se interpelam: Será que alguém nesse mundo conhece Ielmo Marinho? O pior é que nós, seus próprios habitantes, nem a conhecemos.

Enquanto denúncias de corrupção ocorriam aqui nos indignávamos e proferíamos discursos políticos contra a  corrupção lá fora não sabendo que ela, a corrupção,  está generalizada.

Mas a TV, aquela que nos reportara os casos de corrupção no país, será a mesma que lançará este mal que só víamos lá fora dentro da nossa sala de estar. Conter o mal estar? Não, é preciso vomitar mesmo que com palavras.

Observem agora esta terra arrasada, produzimos abacaxis e eles nunca foram doces porque foram cultivados  num  vale  murcho. Mas não foi sempre assim. Ou foi? Na verdade, nunca fomos tratados como um povo e sim uma manada. Tempo estranho esse, incerto, duro.

De certo, cá estou vislumbrando o mesmo dilema histórico: o “velho” dá sinais de esgotamento, mas o ”novo” ainda não surgiu. Todos gostam do direito à cidade, [...] os políticos adoram falar nisso. Eles querem o direito para a cidade deles já escreveu o geográfo David Harvey.

Mas, quando iremos acordar e batalhar pelo nosso direito a cidade? Uma  cidade para todos, com educação de qualidade, moradia digna, saúde eficaz, que os pobres tenham voz, que tenhamos poder de decisão sobre como ela será feita e refeita ?

Nós que aqui estamos não podemos na inércia permanecer. É preciso descortinar esse espetáculo e mostrar que como bons espectadores que somos sabemos quando aplaudir e quando vaiar.

Eis chegada a hora do ato final. Até quando permaneceremos amargurando o silêncio e fechando os olhos para o que aconteceu ? 

Da Redação
Via: Pedro Torres
Ex-deputado Federal Jovem do RN/ Acadêmico de História (UEPB).

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Mari/PB: Anos dourado do futebol amador

Os anos 90 foram de glória para o futebol amador da bela cidade de Mari na Paraíba.
O estádio Pedro Thomé de Arruda foi palco de grandes jogos do concorrido campeonato Mariense. Grandes equipes à exemplo;  Botafogo de Tita, ABC da rua 15, 5 da manhã do amigo - amiguinho, Estrela Vermelha, Vasco, Palmeiras do Guarda e muitos outros...
Aos finais de semana, o campeonato Mariense era atração certa. A rivalidade entre as equipes despertavam o interesse do público que lotavam o estádio do Cruzeiro localizado no bairro Vermelho.
Um campeonato bem organizado, e com personagens inusitados; kinket massagista, o trio do Botafogo-Tita, Nô e Alexandre garapão, os irmãos do ABC, Ramo Mago do Abacaxi, Guarda do Palmeiras e etc...
Atrás do alambrado os torcedores, motivados pelos belos jogos, participavam de forma eufórica nas partidas. No estádio era fácil de encontrar lanches deliciosos; laranja, amendoim, pastel e o popular "dindin".
No estádio as discussões sadias entres os torced…