Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 3, 2017

Quem é Richam Ellakkis, o médico que sugeriu procedimento para matar Marisa Letícia

Segundo reportagem do jornalista Joaquim Carvalho, do Diário do Centro do Mundo, até um ano atrás, ele era neurocirurgião do Hospital Municipal de Ermelino Matarazzo, na Zona Leste, que atende um grande número de baleados e vítimas de acidentes de trânsito."Ele próprio, em agosto de 2015, se envolveu numa batida de carro que acabou na Justiça. O doutor Richam Ellakkis conduzia seu Honda Civic LXR, de placas FKA 4329, pela rua Cachoeira , em Guarulhos, não parou no cruzamento com a rua Dona Tecla e acertou o táxi de Djalma Aleixo de Luna", diz Carvalho. Segundo o jornalista, Richam Ellakkis não compareceu ao Fórum para se defender e em setembro do ano passado, foi condenado à revelia a indenizar o taxista, que ficou nove dias sem poder trabalhar, enquanto o carro estava no conserto.No grupo de WhatsApp que reúne médicos que, como ele, se formaram em 2009 pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, comentou diante do diagnóstico de Dona Marisa vazado do hospital Sírio Lib…

ESPORTE: Vem aí "A palhinha do Fera" com Diego Silva - O Fera

Revista Páginas - O blog Revista Páginastraz outra novidade e estreia o espaço de esportes "A palhinha do Fera" com Diego Silva - O Fera. Nele o leitor internauta poderá ver a opinião detalhada dos principais Campeonatos do futebol brasileiro. Além de ser um espaço exclusivo para o análise do futebol nacional, o objetivo também é agregar irreverência nos escritos, fugindo à regra. E o nosso estreante é o Diego Silva, natural da cidade de Marí na Paraíba, atualmente residindo no Rio de Janeiro. Apelidado de O Fera, Diego é conhecido no mundo das "peladas" como um detalhista e de opinião condutende. A parceria de Diego como o Revista Páginastende a dá visibilidade ao talento do jovem promissor. Sucesso, Fera!

"Pelé é (imortal) mesmo, mas o Edson vai morrer qualquer dia" diz o rei do futebol em entrevista

O homem que rompia defesas pelo mundo hoje precisa de uma bengala para se locomover, mesmo em distâncias pequenas. Pelé enfrentou uma série de internações e cirurgias nos últimos anos, mas diz não temer a morte. Existencialmente, a tragédia recente com o avião da Chapecoense inspirou mais reflexões ao "Rei" do que as idas e vindas aos hospitais."Acho que temos que encarar a morte como uma coisa natural, acreditar em Deus. Porque quando Ele chamar, não importa onde você esteja, quem você é", afirmou.Pelé é (imortal) mesmo. Mas o Edson vai morrer qualquer dia", acrescentou o maior goleador da história do futebol.
Se as pernas não têm mais a potência de impulsão da Copa de 1970, o cérebro continua atualizado com os temas mais relevantes da atualidade, da Lava Jato à nova Fifa. Numa entrevista recente, o ídolo enfrentou questões polêmicas como a distância dos netos reconhecidos judicialmente, a fase de Neymar e o famoso comentário de Romário sobre "Pelé calad…