Pular para o conteúdo principal

Papa diz que não é possível falar de pobreza e levar vida de faraó


O papa Francisco advertiu em uma entrevista publicada nesta sexta-feira (6) que não se pode falar de pobreza e depois levar “uma vida de faraó”, após as revelações sobre o esbanjamento de alguns cardeais no escândalo conhecido como o Vatileaks 2.

“A Igreja deve falar com a verdade e também com o testemunho, o testemunho da pobreza. Não é possível que um fiel fale de pobreza e dos sem-teto e leve uma vida de faraó”, disse o pontífice ao jornal holandês “Straatnieuws”, de Utrecht.

“Na Igreja há alguns que, ao invés de servir, de pensar nos demais (…) se servem da Igreja. São os arrivistas, os que estão apegados ao dinheiro. Quantos padres e bispos deste tipo já vimos? É triste dizer, não?”, disse na homilia durante a missa matinal no Vaticano.

Dois livros publicados na quinta-feira em várias línguas revelaram, graças a documentos confidenciais, a gestão calamitosa das finanças vaticanas e o esbanjamento de alguns religiosos, instalados em apartamentos luxuosos.

O papa prometeu recentemente a um de seus auxiliares, citado na edição desta sexta-feira do jornal italiano “La Stampa”, que a gestão do patrimônio imobiliário da Igreja “vai mudar”.

No entanto, advertiu Francisco ao jornal Straatnieuws, a Igreja não poderá abrir mão da maior parte de seu rico patrimônio imobiliário, que serve para apoiar as obras de caridade, nem de seus tesouros artísticos, que pertencem à “humanidade”.

“Se amanhã eu dissesse que iríamos leiloar a Pietà de Michelangelo, não seria possível. Porque não pertence à Igreja. Está em uma igreja, mas pertence à humanidade. E isto vale para todos os tesouros da Igreja”, explicou.

“Começamos a vender os presentes e outras coisas que me dão”, recordou o papa, que acaba de entregar quase 40 destes presentes por ocasião de um evento de caridade. Entre as peças estão um carro Lancia, e um Rolex.

Em um tom mais mais leve, Francisco contou ao Straatnieuws que quando tinha quatro anos queria ser açougueiro e que não era muito bom no futebol com seus amigos em Buenos Aires.

“Eu era pequeno, tinha quatro anos e uma vez me perguntaram ‘o que você gostaria de ser quando crescer?’. Eu disse: ‘açougueiro!’, como o do mercado em que eu fazia compras com a minha mãe e avó”, contou.

No futebol, revela, “os que jogavam como eu eram chamados de ‘patadura’, que significa ter dois pés esquerdos. Mas eu jogava e geralmente era goleiro”.

A última semana representou um desafio para o pontificado de Francisco, que teve questionado se teria um pulso firme necessário para enfrentar a corrupção interna da Santa Sé e promover reformas na Igreja católica.

O predecessor de Francisco, Bento 16, renunciou em fevereiro de 2013, desanimado, segundo vaticanistas, pela amplitude das reformas que eram necessárias ser feitas na Cúria.

Da Redação 

Via: Aleteia 

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Mari/PB: Anos dourado do futebol amador

Os anos 90 foram de glória para o futebol amador da bela cidade de Mari na Paraíba.
O estádio Pedro Thomé de Arruda foi palco de grandes jogos do concorrido campeonato Mariense. Grandes equipes à exemplo;  Botafogo de Tita, ABC da rua 15, 5 da manhã do amigo - amiguinho, Estrela Vermelha, Vasco, Palmeiras do Guarda e muitos outros...
Aos finais de semana, o campeonato Mariense era atração certa. A rivalidade entre as equipes despertavam o interesse do público que lotavam o estádio do Cruzeiro localizado no bairro Vermelho.
Um campeonato bem organizado, e com personagens inusitados; kinket massagista, o trio do Botafogo-Tita, Nô e Alexandre garapão, os irmãos do ABC, Ramo Mago do Abacaxi, Guarda do Palmeiras e etc...
Atrás do alambrado os torcedores, motivados pelos belos jogos, participavam de forma eufórica nas partidas. No estádio era fácil de encontrar lanches deliciosos; laranja, amendoim, pastel e o popular "dindin".
No estádio as discussões sadias entres os torced…