Pular para o conteúdo principal

Crise: Maranhão reage a críticas, vê “despreparo” e contesta governo


O senador José Targino Maranhão (PMDB-PB) divulgou, na madrugada desta quarta-feira (30), nota, através de sua assessoria, para rebater as informações divulgadas pela Secom Estadual de que sua gestão teria deixado um ‘rombo’ de R$ 411 milhões nas contas do governo em 2010.

 

A polêmica teve início após a Secom do Estado rebater os dados de um artigo assinado pela jornalista Adriana Bezerra e divulgados na coluna de Lena Guimarães, no jornal Correio da Paraíba. No release oficial, o governo acusou a gestão de Maranhão de provocar um déficit milionário.

 

O peemedebista disse que não queria discutir o conteúdo da nota do governo, mas lamentou os argumentos utilizados “pelo apressado e despreparado redator da reposta oficial”.

 

Maranhão disse que essa informação de que seu governo teria deixado esse ‘rombo’ já foi rebatidas inúmeras vezes, desde o início de 2011, por ele próprio e pelos integrantes de sua equipe econômica. “Trata-se de uma afirmação falsa, cavilosa e sem comprovação”, resumiu.

 

O senador também lembrou que as afirmações de que o débito se referia a prestações vincendas da ‘Dívida Fundada’ para 2011 não subsistem e são eivadas de má fé.  “Até hoje, embora solicitada por membros do meu governo, através de pronunciamentos na imprensa, jamais foi divulgada a listagem desses débitos sem ‘cobertura financeira’, simplesmente porque eles não existem”, afirmou.

 

Confira, na íntegra, a nota do senador José Maranhão:

 

NOTA

 

Para contestar dados publicados na coluna da Jornalista Lena Guimarães, do Jornal Correio da Paraíba, edição do dia 26 de dezembro do corrente ano, em matéria assinada pela Jornalista Adriana Bezerra, que substitui a titular, o Governo do Estado enviou à redação do citado jornal, matéria requerendo direito de resposta. A reportagem principal tinha o título de “Artilharia Pesada”, sendo aquela resposta publicada na mesma coluna, na edição do dia 28/12/2015, com o título “A Versão do Governo”.

 

Não é do meu interesse discutir o conteúdo, muito menos a veracidade e mérito dos dados ali relacionados. O que me leva a comentar o fato é o argumento usado pelo apressado e despreparado redator da resposta oficial que afirma, entre outras justificativas, que:

 

“Diferentemente do que se viu ao final de 2010, ano no qual a ilustre colunista (errou até a identificação da pessoa da Jornalista) ocupava a Secretaria de Comunicação Institucional, quando o Estado fechou com um déficit orçamentário anual de R$411 milhões, além de uma herança de R$1,3 bilhão de reais em débitos, só permitindo a recuperação do equilíbrio fiscal nos anos seguintes da atual gestão”

 

Essa despreparada afirmação de que meu Governo deixou um débito de 1,3 bilhão de reais já foi rebatida inúmeras vezes, desde o início de 2011, por mim e pelos componentes da equipe econômica do meu governo. É uma afirmação falsa, cavilosa e sem comprovação.

 

Em uma das entrevistas publicadas por despreparados assessores governamentais, no inicio da gestão iniciada em 2011, foi dito que uma das parcelas do mencionado débito eram as prestações vincendas da “Divida Fundada” para 2011: Afirmação eivada de má fé.

 

Até hoje, embora solicitada por membros do meu governo, através de pronunciamentos na imprensa, jamais foi divulgada a listagem desses débitos sem “cobertura financeira”: Simplesmente porque eles não existem.

 

Os “restos à pagar” de 2010, contabilizados oficialmente, existentes pelo simples fato de que as obras em andamento e/ou os materiais e equipamentos adquiridos e empenhados, não estavam concluídas e/ou entregues a ponto de serem pagos, praticamente todos eles financiados com recursos federais de convênios e do contrato de empréstimo do BNDES, todos eles cobertos financeiramente, com recursos depositados em bancos, conforme atestado pelo balanço geral do estado/2010, assinado e publicado pelo Governador do Estado da época e atual, merecendo parecer favorável do Tribunal de Contas do Estado e aprovação da Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba, com saldos disponíveis de R$610 milhões.

 

Mais uma vez venho contestar as informações oficiais citadas, relativamente ao período do meu governo, por improcedentes e sem comprovação.

 

João Pessoa, 29 de Dezembro de 2015.

 

JOSÉ TARGINO MARANHÃO

Ex-Governador da Paraíba

Senador da República

Da Redação
Via: Tribuna de Notícias

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja