Pular para o conteúdo principal

Biografia de Claudia Leitte receberá R$ 355 mil via Lei Rouanet. São R$ 177 por exemplar


O Diário Oficial da União informa na edição desta quarta-feira que a jornalista Juliana Gonzalez poderá captar até R$ 355 mil via Lei Rouanet para escrever um livro sobre a cantora Claudia Leitte.

De acordo com o edital, o livro trará uma entrevista “exclusiva” com a cantora, além de fotos, letras, partituras e dados biográficos. A tiragem será de 2 mil exemplares – o que significa que serão investidos até R$ 177,50 por exemplar.

O caso serve para levantar mais uma vez o debate sobre o financiamento de produtos culturais que são comercialmente viáveis. Em outras ocasiões, já surgiram notícias que causaram debate semelhante, como filmes de artistas populares e o famoso projeto de Maria Bethânia que pedia R$ 1 milhão para que ela lesse poemas de Fernando Pessoa on-line.

Recentemente, o Tribunal de Contas da União deu seu parecer sobre o caso, determinando que apenas sejam investidos recursos públicos de lei de incentivo em empreendimentos que não tenham potencial comercial evidente. A decisão tinha relação com o caso do Rock in Rio.

O tema causa divergências. A Gazeta do Povo, em editorial, defendeu que o dinheiro pode ser usado para eventos comercialmente viáveis, dando como argumentos a incerteza da viabilidade e também o texto da lei, que não prevê esse critério. Corre-se o risco de aparelhamento da lei, decidindo que o critério de mérito vale – e encaixando-se nele apenas quem interessa.

Riscos sempre há. E o aparelhamento seria típico do Estado brasileiro, que sempre financiou os amigos mais do que os outros. No entanto, é preciso definir qual é o espírito das leis de incentivo. E parece claro que a renúncia fiscal não deve ser usada me todos os  casos.

A biografia de Claudia Leitte tem tudo para vender bem. E num Estado com tantos problemas básicos de saneamento, saúde e educação, deveria haver mecanismos que impedissem, sim o gasto de recursos com projetos que, além de comercialmente viáveis, parecem ter pouco mérito para se dizer que acrescentem algo valioso à cultura nacional.

As leis de incentivo deveriam servir para ajudar o país a fomentar projetos inovadores ou de baixo potencial comercial mas que sejam de interesse cultural – preservação de patrimônio, história, projetos para artistas iniciantes ou que direcionam seu trabalho para áreas pouco comerciais, como a música erudita, por exemplo.

Nada contra Claudia Leitte. O problema é saber como usar o escasso recurso que é o dinheiro do contribuinte.

Da Redação
Via: Gazeta do Povo

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja