Pular para o conteúdo principal

EUA reafirmam o que foi adiantado primeiro por médica da PB sobre zika e microcefalia

Um estudo dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), principal órgão de pesquisa do governo norte-americano, publicado nessa quarta-feira (13), concluiu o que a médica do Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (Isea), de Campina Grande, Adriana Melo, já havia confirmado desde novembro do ano passado: o vírus da zika causa a microcefalia e outras atrofias cerebrais graves. A pesquisa não traz novas evidências e reafirma as hipóteses levantadas pela pesquisadora de Campina, que vem alertando para a gravidade dos danos causados pelo vírus.

As inquietações da médica Adriana Melo com os novos padrões de microcefalia que estavam surgindo no Nordeste começaram em meados de setembro de 2015. Quando o surto de microcefalia começou a ganhar notoriedade na imprensa nacional, a pesquisadora já havia iniciado um estudo para tentar estabelecer a causa das malformações nos bebês. Partiu dela a iniciativa de coletar o líquido amniótico de duas gestantes da Paraíba e enviar para a Fiocruz, no Rio de Janeiro. Na época, ela já liderava um grupo de gerenciamento de crise, criado pela Prefeitura de Campina Grande, em outubro de 2015, para acompanhar a evolução dos casos.

No mesmo dia em que a médica anunciou o resultado da pesquisa feita com o líquido amniótico das gestantes, estabelecendo, de forma inédita, a relação da microcefalia com o Zika, o Ministério da Saúde decretou estado de emergência em saúde pública no país. A partir daquele momento os olhares da imprensa mundial se voltaram para Campina Grande, destacando tanto o pioneirismo de Adriana Melo, como também as estratégias adotadas pelo prefeito Romero Rodrigues para garantir a assistência às gestantes com sintomas de zika e aos bebês com microcefalia.

Ainda intrigada com a severidade dos danos causados pelo zika nos cérebros dos bebês, Adriana Melo também foi uma das primeiras pesquisadoras a alertar que o vírus estaria provocando danos além da microcefalia, como alterações musculares e articulares, doença popularmente conhecida como artogripose. Em parceria com pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ela conseguiu ainda identificar a presença do zika em tecidos cerebrais. O resultado dessa pesquisa com tecidos cerebrais saiu em fevereiro deste ano. Graças às contribuições dos estudos, as malformações cerebrais provocados pelo vírus agora são tratados como síndrome da zika congênita.

Perfil

Nascida no município do Crato, estado do Ceará, Adriana Melo, é médica concursada do Isea e se especializou em ultrassonografia e medicina fetal. Com dois doutorados e um pós-doutorado, ela também é presidente do Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto (Ipesq). Mesmo com o pioneirismo nos estudos sobre a síndrome da zika congênita, a pesquisadora agora vive um novo desafio: conseguir incentivos para ampliar as pesquisas sobre o tema. Atualmente, ela recebe uma bolsa de estudos da Prefeitura de Campina Grande, que também financia exames de imagens, como tomografia e ressonância magnética, que ajudam no diagnóstico dos bebês com alterações no cérebro.

Da Redação
Via: Portal Correio

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Prefeitos baianos do PMDB, DEM e outras siglas fazem fila de quase uma hora para tirar selfies com Lula

Ontem (19) pela manhã, o petista participou de um evento com mais de 60 prefeitos de cidades do interior baiano. Na plateia havia políticos de partidos como PMDB e DEM, que apoiaram o Senado investigasse a ex-presidente Dilma Rousseff e integram a base do governo Michel Temer. Quem via de longe pensava que as filas próximas ao palco para tirar uma selfie com Lula era da comunidade local, mas eram compostas na realidade por gestores das mais variadas correntes.Apesar das críticas de Lula ao atual presidente Michel Temer, os prefeitos formaram uma fila de quase uma hora para tirar fotos com o petista. Um prefeito do PMDB que pediu para não ter o nome divulgado explicou tanta admiração. Segundo ele, Lula é muito admirado no Nordeste e pode ser um grande cabo eleitoral para 2018.Lula usou um palavrão para criticar a situação econômica do País. "Este País é grande demais. Este País não nasceu para ser a m. que é", disse o ex-presidente que logo em seguida tentou se desculpar. &qu…

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…