Pular para o conteúdo principal

Pão e Circo: ex­-prefeitos e mais 20 são ouvidos pela Justiça

Esquema teria desviado R$ 62 milhões com festas em municípios da Paraíba. Audiência de instrução e julgamento será às 14h no Fórum Criminal de João Pessoa.

Presos na Operação Pão e Circo, em 2012, os ex­-prefeitos João da Utilar (Sapé), Renato Mendes (Alhandra) e Francisco de Assis de Melo (Solânea) e mais 20 réus vão prestar depoimentos nesta quarta-­feira (13), na audiência de instrução e julgamento, às 14 horas, no Fórum Criminal de João Pessoa. Para dar celeridade ao julgamento, o processo foi incorporado ao Mutirão da Improbidade Administrativa no âmbito do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJ­PB). A audiência será presidida pela juiz Jailson Shizue Suassuna e acompanhada pelo coordenador do mutirão, o juiz Aluízio Bezerra Filho. A sentença deve ser prolatada em dois meses.

O delegado da Polícia Civil Nélio Carneiro, juntamente com sua equipe de agentes, foi designado em caráter especial para reforçar este ano os trabalhos. “O delegado vai atender às decisões de condução coercitivas, prisões provisórias e preventivas. Aqueles réus ou testemunhas que, de forma ardilosa, tentam retardar os atos judiciais serão atingidos por algumas dessas medidas. Tem sido comum o réu ou a testemunha somente adoecer em dia de audiência ou marcar exames médicos”, explicou Aluízio Bezerra.

A Pão e Circo foi deflagrada em junho de 2012. Na ocasião, foram presas 28 pessoas, entre elas, João da Utilar, Renato Mendes e Dr. Chiquinho, além de secretários municipais, servidores públicos e empresários. Entre eventos festivos e despesas conexas, o montante de recursos pagos pelos municípios paraibanos (Alhandra, Sapé e Solânea, respectivamente) às empresas investigadas – no período de 2008 a 2012 – correspondeu a aproximadamente R$ 62 milhões.

Dos 28 investigados, 23 foram denunciados em outubro de 2013 pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) por crime de formação de quadrilha ou bando, além de outras infrações penais. A denúncia foi protocolada pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado do MPPB (Gaeco) e pela 5a Promotoria de Justiça Criminal de João Pessoa perante a 5a Vara Criminal da Comarca da capital.

Empresas fantasmas
De acordo com o promotor de Justiça e coordenador do Gaeco, Octávio Paulo Neto verificou­se que várias empresas “fantasmas” foram criadas com o propósito específico de desviar verbas públicas e fraudar procedimentos de contratação de serviços para a realização de eventos festivos, incluindo contratos com bandas musicais, montagem de palcos, som, iluminação, comercialização de fogos de artifícios, shows pirotécnicos, alugueres de banheiros químicos e serviços de segurança. Tudo isso com o envolvimento e a participação direta de prefeitos da época, de alguns de seus familiares e de servidores públicos.

A investigação apontou também para a montagem de procedimentos licitatórios, onde os envolvidos produziam toda a documentação, no intuito de formalizar os certames. Também foi constatado superfaturamento dos objetos licitados, que os serviços contratados não foram executados e que documentos foram forjados, atestando, dentre outras coisas, a falsa exclusividade de artistas e de bandas para justificar a inexigibilidade de licitações.


Da Redação
Via: Jornal da Paraíba

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

De volta ao Brasil colonial (4)

(Fragmento do artigo de João Sicsú   disponível no site da CartaCapital)"Mais que o governo, o Estado se torna autoritário e violento. Todas as instituições que outrora deveriam constituir uma república democrática se voltam contra os trabalhadores. A Justiça, o governo, o Congresso, as polícias e os grandes meios de comunicação estarão todos a serviço da nova Coroa e contra os trabalhadores. Os cargos de comando nessas instituições são ocupados majoritariamente por integrantes de famílias tradicionais e conservadoras da elite local. E essa elite se desdobra para favorecer a nova Coroa e seus próprios interesses (de poder e patrimoniais).A elite colonizada se revela sem qualquer discrição: rouba, forma quadrilhas, paga e recebe propina, não atende necessidades básicas da população, saqueia o orçamento público e elimina direitos sociais. O Estado democrático, prestador de serviços e garantidor do bem-estar social desaparece. O Estado volta a ser autoritário, violento e perde a fu…

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…