Pular para o conteúdo principal

PB registrou mais de 6,1 mil assassinatos entre 2012 e 2015, média de quase três homicídios por dia

Violencia cidades mais violentas da PB

A Paraíba registrou nada menos do que 6.146 assassinatos, entre os anos de 2012 e 2015, conforme dados da própria Secretaria de Segurança do Estado e, portanto, os números podem estar até subestimados. Essa estatística representou cerca de três homicídios por dias, em quatro anos, quando o estudo começou a ser realizado no Estado.

João Pessoa (com 59,4 homicídios por grupo de 100 mil habitantes), Campina Grande (36,5) e Santa Rita (83,7) lideram o ranking das cidades mais violentas, conforme levantamento feito pelo Blog A Briosa.

Dados – Em 2012 houve 1.542 assassinados, e em 2013 houve uma redução de cinco casos (de 1.542 para 1.537), ou seja, 0,32%.  Em 2014, foram 1.513 assassinatos.  E m 2015, o Estado registrou uma pequena queda de 11 homicídios (1.513 menos 1.502), ou seja, uma redução de 0,85%.

Da Redação
Via: Hélder Moura

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

PREOCUPANTE: Barragem que abastece Sapé/PB e região pode está sendo poluída

Revista Páginas - Um grupo de pessoas liderada pela vice-prefeita, Karina Melo, do município de Marí, localizado na Zona da Mata da PB, estiveram na quinta-feira(9), visitando a barragem São Salvador, responsável pelo abastecimento de água do município de Sapé e região. O grupo que também contou com a presença da vereadora de Marí, Neta Dionizio e do demais integrantes, foram apurar de perto uma denúncia preocupante, onde a importante barragem estaria sendo poluída.O grupo apurou à fundo os fatos prometendo tomar providências, mas não especificaram como estaria ocorrendo a possível poluição das águas do São Salvador. Lembrando que a barragem tem Capaciade Máxima (m³): 12.657.520 e está com cerca de 9.071.870m³ segundo dados da AESA/Cagepa, aumentando a preocupação.  Toda ação do grupo foram fotografadas e divulgadas nas redes sociais. Veja as imagensFotos/Nelma Morais