Pular para o conteúdo principal

Dilma anuncia crédito recorde de R$ 30 bilhões para agricultura familiar

Ao anunciar um aporte recorde de R$ 30 bilhões para atender os agricultores familiares através do Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017, a presidenta Dilma Rousseff disse que ações como essas irritam aqueles que nunca valorizaram o agricultor familiar. “O financiamento adequado, com juros subsidiados, irrita quem acredita que a agricultura familiar deveria ser deixada às forças do mercado”, discursou a presidenta, para uma plateia composta de ministros, parlamentares e representantes de movimentos sociais ligados ao campo que lotaram as dependências do Palácio do Planalto, nesta terça-feira (3).

“Esta é a sexta vez que venho lançar o Plano Safra da Agricultura Familiar”, disse Dilma, fazendo questão  de lembrar da evolução que esse setor produtivo teve nos últimos 13 anos, nos governos do PT. O aporte anunciado deve atender linhas de financiamentos destinados a cultivo, produção e investimento, com previsão de taxa de juros entre 0,5% a 5,5% ao ano, abaixo da inflação e do juro básico da economia.

“Temos sempre que avançar e é isso que a gente aprende com os movimentos sociais ligados ao campo”, lembrou a presidenta, que ainda frisou que o crédito que pulou de R$ 2,5 bilhões para R$ 30 bilhões atende os anseios dos movimentos sociais que tanto lutaram para otimizar esse setor de produção do país. O montante estará disponível aos agricultores familiares a partir do mês de junho.

Entre as medidas estabelecidas no Plano Safra está a forma como o agricultor poderá utilizar  recursos. Para custeio, por exemplo, foi definido o limite de até R$ 250 mil. Já para investimento a previsão de gasto é e de até R$ 330 mil.

Seguro - Em relação ao seguro da agricultura familiar, o programa prevê cobertura de 80% da renda bruta esperada e no limite de cobertura da renda líquida de até R$ 20 mil. Para famílias de agricultores que residem na área do semiárido, que são atingidos pela seca, o benefício será de R$ 850.

Reforma agrária - O programa prevê ações para avançar na reforma agrária. Na aquisição da terra, o governo estabeleceu estruturação de lotes de até R$ 25 mil com juros de 0,5% ao ano.  Na atividade agropecuária em área de reforma agrária foi liberado linha de crédito de até R$ 7,5 mil a juros de 1,5% ao ano. E para microcrédito está sendo ofertado empréstimo de até R$ 4 mil a juros de 0,5% ao ano.

O Plano ainda prevê apoio ao cooperativismo, à comercialização dos produtos oriundos da agricultura familiar por meio do Programa de Aquisição da Agricultura (PAA),  à Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) - consolidando a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) que levará assistência a mais de 10 mil famílias. Além disso, o Plano Safra incluiu o lançamento do 1º Plano Nacional de Juventude e Sucessão Rural.

Golpe - No final do discurso a presidenta Dilma fez questão de alertar, mais uma vez, sobre o golpe em curso no país com objetivo de destituí-la do mandato concedido por mais de 54 milhões de brasileiros nas eleições de 2014.

“Me sinto injustiçada, vítima de um processo de um grupo que quer chegar ao poder pelo caminho fácil, que não passa pelo voto do povo...Vivemos tempos conturbados, a democracia brasileira vive um assalto. Estou sendo vítima de uma fraude que é um impeachment sem causa”, afirmou Dilma.

“Muitas vezes eles pediram que eu renunciasse. É extremamente confortável que a vítima desapareça, que a injustiça não seja visível. Pois eu quero dizer uma coisa, a injustiça vai continuar visível, bem visível”, finalizou.

Da Redação
Via: PT da Câmara

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja