Pular para o conteúdo principal

Em artigo: ex-prefeito de Mari, fala de sua trajetória política, avanços e reconhecimento de adversários à sua gestão

"O ex-prefeito Adinaldo Pontes, da cidade de Mari na Paraíba, tem utilizado as redes sociais para escrever artigos, descrevendo sua trajetória política no município. Em seu artigo publicado hoje(30) na sua página no Facebook, o ex-prefeito, narrou como superou as principais oligarquias dá época, falou de sua administração nos 6 anos como prefeito e até da admiração de seus adversários por sua gestão inovadora para época".

Leia na íntegra:

Uma eleição que poucos acreditavam

Até o ano de 1982 nossa TERRA era comandada por oligarquias, Ribeiro Coutinho, Melo, França e Arruda, esses grupos se reversavam no Poder Municipal. Um grupo de amigos, aparentemente sem votos e sobre o meu comando, resolvemos nos articular e assim descordar da política praticada pelos maiorais do nosso município.
Fizemos reuniões a princípio com uma minoria de amigos, eram eles: Dr. Luizinho, o Gordo de Egídio  Antonio Gomes, Juarez Rique, Rouxinho, Zé de Cícero, Dr. Mário Ferreira, Nozinho, Nilson Arruda, entre outros, éramos todos jovens, todavia, com idéias avançadas.

Algumas pessoas diziam que estávamos doidos. Como enfrentar aqueles grupos poderosos financeiramente e estruturados no poder?!?!?! Sabíamos que era muito difícil, mas não impossível. Começamos a batalha e com muita humildade fomos conseguindo simpatizantes da nossa proposta, incorporaram-se ao nosso trabalho: José Virgilho, Manoel Mijão, Ten. Álvaro (meu pai), José Verdoso, Seu Joãozinho da Venda (da Rua João Suassuna), Domingos do Banco, e também tantas outras pessoas anônimas, entre senhores, jovens e até crianças.
Foi uma campanha memorável, eu não tinha dinheiro, o povo e os amigos pagavam as contas. Enfrentamos o que era de mais forte financeiramente e politicamente, nada a menos do que o Dr. José Ferreira, médico e diretor do hospital Santa Cecília, com o apoio do então prefeito José Paulo de França, que fazia uma boa administração, e de outro lado, Eudes de Arruda Bastos, filho do ex prefeito Pedro Tomé de Arruda, homem forte na política mariense.
Levamos nossa mensagem ao povo, as ruas se encheram de pessoas, eram centenas de adesões, o eleitorado acreditou no nosso projeto, sobretudo, os mais humildes e finalmente ganhamos a eleição.

Administramos Mari por seis anos, acredito, fiz uma boa administração, voltada para os mais humildes, para as crianças carentes, com construção de creches, doação diária de leite, carros de mão e outras coisas para o povo, não tendo esquecido o lazer com a construção do parque infantil. Conclui aquele mandato com 80% de aprovação popular e até os meus mais ferrenhos adversários reconheceram aquele bom mandato. Por isto, eu acredito.

Ex-prefeito de Mari/PB: Adinaldo Pontes

(Foto: Inauguração do Parque Infantil, acervo pessoal de Adinaldo Pontes)

As Mais Visitadas

Prefeitos baianos do PMDB, DEM e outras siglas fazem fila de quase uma hora para tirar selfies com Lula

Ontem (19) pela manhã, o petista participou de um evento com mais de 60 prefeitos de cidades do interior baiano. Na plateia havia políticos de partidos como PMDB e DEM, que apoiaram o Senado investigasse a ex-presidente Dilma Rousseff e integram a base do governo Michel Temer. Quem via de longe pensava que as filas próximas ao palco para tirar uma selfie com Lula era da comunidade local, mas eram compostas na realidade por gestores das mais variadas correntes.Apesar das críticas de Lula ao atual presidente Michel Temer, os prefeitos formaram uma fila de quase uma hora para tirar fotos com o petista. Um prefeito do PMDB que pediu para não ter o nome divulgado explicou tanta admiração. Segundo ele, Lula é muito admirado no Nordeste e pode ser um grande cabo eleitoral para 2018.Lula usou um palavrão para criticar a situação econômica do País. "Este País é grande demais. Este País não nasceu para ser a m. que é", disse o ex-presidente que logo em seguida tentou se desculpar. &qu…

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja