Pular para o conteúdo principal

Temer chama de 'oportunistas' quem debita herança petista na sua gestão

Em reação às críticas da presidente afastada Dilma Rousseff, o presidente interino, Michel Temer, chamou de "oportunistas" aqueles que querem debitar sobre seu governo resultados negativos da economia e disse que não vai "destruir aquilo que mais toca" os setores sociais.

Em cerimônia de posse de cinco presidentes de órgãos federais, o peemedebista disse que não é culpa da atual administração o número de 11 milhões de desempregados ou a alta da inflação. E fez questão de ressaltar que não haverá reduções com despesas em saúde e educação.

"Não falarei em herança de espécie nenhuma. Apenas revelo a verdade dos fatos para que oportunistas não venham debitar os erros dessa herança ao nosso governo", disse. "O país se encontra mergulhado em uma das grandes crises de sua história, uma conjugação de problemas causados de erros ao longo do tempo que comprometeram a governabilidade", completou.

Em seu rápido discurso, Temer reconheceu que as medidas econômicas não resolverão a situação do país "da noite para o dia" e que serão precisos "sacrifícios" para "encontrar o caminho para a geração de emprego e o crescimento do país".

"Eu quero registrar, para que não tenha exploração, que os percentuais referentes a saúde e educação não serão modificados", disse o peemedebista, em referência a projeto da fixação de teto para gastos públicos que será enviado ao Congresso Nacional.

O presidente interino ironizou também o discurso de aliados de Dilma de que o impeachment tinha o objetivo de frear a Operação Lava Jato.

"Quero revelar pela enésima vez que ninguém vai interferir na chamada Lava Jato. Não haverá a menor possibilidade de qualquer interferência do Executivo", disse.

A declaração ocorre após a queda de dois ministros que, em gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, fizeram críticas às investigações da Polícia Federal.

O ex-ministro Romero Jucá (Planejamento) chegou até mesmo a sugerir um pacto para "estancar a sangria" da Lava Jato.

EMPOSSADOS

Na cerimônia no Palácio do Planalto, tomaram posse Maria Silvia (BNDES), Pedro Parente (Petrobras), Gilberto Occhi (Caixa), Paulo Caffarelli (Banco do Brasil) e Ernesto Lozardo (Ipea). Em cima do palco montado no segundo andar do Palácio do Planalto, todos estavam com algum adereço azul, cor do slogan do governo interino.

Temer disse que os novos presidentes têm o perfil que ele pretende imprimir ao país, de "competência e eficiência". O peemedebista ressaltou que não quer um Estado "máximo" ou "mínimo", mas "suficiente" e "eficiente", que ajude a retomar o crescimento.

"Reforça-se a ideia de uma equipe econômica que tem os olhos voltados ao Brasil. Não existe espaço no país para um estado inchado e ineficiente. O estado que a sociedade quer é que ofereça espaço para o progresso e incentive o empreendedor", disse.

Em busca de uma agenda positiva, a equipe de Temer convidou para o que chamou de "superposse" ministros de todas as áreas, além de parlamentares e empresários. A ideia era desviar o foco das críticas e desgastes que o governo interino tem sofrido nos primeiros 19 dias.

Da Redação
Via: Folha de S.Paulo

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja