Pular para o conteúdo principal

Pá de terra e Pó de brita na história de Mari/PB, diz cidadão

Revista Páginas - Em publicação recente no Facebook, o cidadão Joseilton Souza, residente no município de Marí, na PB desde o ano de 1984 demonstrou uma preocupação grave no que se refere a história do município, após a Prefeitura Municipal aterrar a linha férrea antes do início da tradicional festa de São Sebastião. 

Joseilton Souza, lamentou o fato, que para ele é uma destruição acelerada da história do município "Parte de nossa história que hoje é soterrada pela caçamba e pela patrol insanas, cheias de pó de brita, autorizada por quem não tem o mínimo respeito pelas raízes de nossa terra"

Na ótica de Joseilton, a iniciativa da Prefeitura altera a história do município, a exposição dos trilhos representa mais do quê uma linha velha desativada, construída no passado. Para ele, a linha férrea faz parte da história dos marienses "Ela 'a linha do trem' foi inspiração de muitos artistas, fotografada e admirada por muitos turistas, pessoas que aqui estiveram e registraram esse nosso legado" .

A ESTAÇÃO: A estação de Araçá foi inaugurada em 1883. no primeiro trecho aberto pela E. F. Conde D'Eu. Mais tarde passou a se chamar Mari. A estação foi desativada já em 1965 pela RFN. Em 2001 o prédio da estação foi tombado pelo patrimônio histórico da Paraíba (IPHAEP). Atualmente a estação é sede da Rádio Comunitária Araçá FM.

Sua última revitalização foi na década de 90 com a construção do calçadão e uma praça. 


Joseilton Souza
Fotos divulgadas no Facebook de Joseilton Souza



Confira à íntegra do texto: 


Pá de terra 'Pó de Brita' na história de Mari.

Não sou filho desta terra, cheguei aqui ainda pequeno, lá em meados de 1984, conheci muita gente boa que sempre me contava as histórias de um antigo Araçá dos Luna Freire, que surgira como distrito de Sapé.

Um lugar que nasceu apartir da construção de uma linha férrea, e de uma capelinha erguida em homenagem ao Sagrado Coração de Jesus e que depois de alguns anos, por causa de uma epidemia adotou como co-padroeiro São Sebastião.

Pois bem, foi nesse lugar, com uma singela praça, onde existiam alguns chafarizes, um bonito coreto e aquela inesquecível e histórica linha férrea onde brinquei e tomei banho de chuva e onde cresci.

Caminhando diariamente, em cima daqueles trilhos e dormentes até chegar na Escola Augusto dos Anjos, referência na época, onde aperfeiçoei as primeiras letras ensinadas por minha mãe. Foi nesse rincão, de memoráveis personagens e de muita história que cresci e do qual aprendi a gostar imensamente.

Então, senhores e senhoras, aquela linha do trem, não está presente somente na minha vida, ela faz parte da história dessa cidade, ela 'a linha do trem' foi inspiração de muitos artistas, fotografada e admirada por muitos turistas, pessoas que aqui estiveram e registraram esse nosso legado.

Parte de nossa história que hoje é soterrada pela caçamba e pela patrol insanas, cheias de pó de brita, autorizada por quem não tem o mínimo respeito pelas raízes de nossa terra.

Homens Insensíveis que não visam outra coisa a não ser o lucro e o poder sem medidas.
Triste por ver uma parte de nossa história ser soterrada por uma imensa pá de pó de brita.

Adeus pra inesquecível e histórica linha férrea do centro de Mari.


As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Parte da História da Cidade de Mari Paraíba-PB

Em 1873, com a passagem da Estrada de Ferro - CWRB (hoje Rede Ferroviária do Nordeste) na região onde se situa o município, foi construída uma Estação Ferroviária, hoje (Rádio Araçá), iniciando-se o povoamento do lugar que recebeu o nome de Araçá, fruto existente em grande quantidade na região.Em 1900, construiu-se a Capela, hoje (Paróquia do Sagrado Coração de Jesus) que atraiu novos moradores. Foi aberta, então, a primeira rua, a rua do comércio, progredindo o povoado, que alcançou a categoria de Vila, em 1938.Em 1946, as famílias de Manoel de Paula Magalhães e de José Leão de Oliveira, procedentes de Alagoas, implantaram e desenvolveram a cultura do fumo, antes uma das maiores riquesas do município.Em 1953, a Capela foi elevado à Paróquia, tendo como primeiro vigário o padre João de Noronha.Sua formação administrativa: Distrito criado com a denominação de Araçá, por ato municipal anterior a 02-03-1938 e em virtude do Distrito no parágrafo único do artigo 10 da Lei Estadual N° 424, …

Mari - Imagem traduz a letra de Maria Anuciada Dias/União e Trabalho

Esta imagem que tem a igreja de fundo traduz a letra de Maria Anuciada Dias, da primeira parte do hino da cidade de Mari PB.
Hino:
                               IMinha terra hospitaleira tem um lindo céu de anil campos vastos e verdejantes
Sol e luar primaveris é Mari, cidade amada que guardo no coração és por Deus abençoada pedaço do meu Brasil
Oh!  Mari terra adorada
Eu te tenho grande amor
És cidade do trabalho
Terra do agricultor
O teu povo Bravo e forte tem por ti veneração segue o lema da tua bandeira
União e Trabalho Hino de Mari/PB
Letra e música: Maria Anuciada Dias
Criado em: 22/08/1989FOTO: via Facebook