Pular para o conteúdo principal

Pá de terra e Pó de brita na história de Mari/PB, diz cidadão

Revista Páginas - Em publicação recente no Facebook, o cidadão Joseilton Souza, residente no município de Marí, na PB desde o ano de 1984 demonstrou uma preocupação grave no que se refere a história do município, após a Prefeitura Municipal aterrar a linha férrea antes do início da tradicional festa de São Sebastião. 

Joseilton Souza, lamentou o fato, que para ele é uma destruição acelerada da história do município "Parte de nossa história que hoje é soterrada pela caçamba e pela patrol insanas, cheias de pó de brita, autorizada por quem não tem o mínimo respeito pelas raízes de nossa terra"

Na ótica de Joseilton, a iniciativa da Prefeitura altera a história do município, a exposição dos trilhos representa mais do quê uma linha velha desativada, construída no passado. Para ele, a linha férrea faz parte da história dos marienses "Ela 'a linha do trem' foi inspiração de muitos artistas, fotografada e admirada por muitos turistas, pessoas que aqui estiveram e registraram esse nosso legado" .

A ESTAÇÃO: A estação de Araçá foi inaugurada em 1883. no primeiro trecho aberto pela E. F. Conde D'Eu. Mais tarde passou a se chamar Mari. A estação foi desativada já em 1965 pela RFN. Em 2001 o prédio da estação foi tombado pelo patrimônio histórico da Paraíba (IPHAEP). Atualmente a estação é sede da Rádio Comunitária Araçá FM.

Sua última revitalização foi na década de 90 com a construção do calçadão e uma praça. 


Joseilton Souza
Fotos divulgadas no Facebook de Joseilton Souza



Confira à íntegra do texto: 


Pá de terra 'Pó de Brita' na história de Mari.

Não sou filho desta terra, cheguei aqui ainda pequeno, lá em meados de 1984, conheci muita gente boa que sempre me contava as histórias de um antigo Araçá dos Luna Freire, que surgira como distrito de Sapé.

Um lugar que nasceu apartir da construção de uma linha férrea, e de uma capelinha erguida em homenagem ao Sagrado Coração de Jesus e que depois de alguns anos, por causa de uma epidemia adotou como co-padroeiro São Sebastião.

Pois bem, foi nesse lugar, com uma singela praça, onde existiam alguns chafarizes, um bonito coreto e aquela inesquecível e histórica linha férrea onde brinquei e tomei banho de chuva e onde cresci.

Caminhando diariamente, em cima daqueles trilhos e dormentes até chegar na Escola Augusto dos Anjos, referência na época, onde aperfeiçoei as primeiras letras ensinadas por minha mãe. Foi nesse rincão, de memoráveis personagens e de muita história que cresci e do qual aprendi a gostar imensamente.

Então, senhores e senhoras, aquela linha do trem, não está presente somente na minha vida, ela faz parte da história dessa cidade, ela 'a linha do trem' foi inspiração de muitos artistas, fotografada e admirada por muitos turistas, pessoas que aqui estiveram e registraram esse nosso legado.

Parte de nossa história que hoje é soterrada pela caçamba e pela patrol insanas, cheias de pó de brita, autorizada por quem não tem o mínimo respeito pelas raízes de nossa terra.

Homens Insensíveis que não visam outra coisa a não ser o lucro e o poder sem medidas.
Triste por ver uma parte de nossa história ser soterrada por uma imensa pá de pó de brita.

Adeus pra inesquecível e histórica linha férrea do centro de Mari.


As Mais Visitadas

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Cruzeiro E C de Mari-PB, o mais querido do brejo.

O saudoso Cruzeiro Esporte Clube de Mari-PB, uma equipe de futebol amadora, que figurou no cenário do esporte paraibano nas décadas de 70, 80 e começo de 90.
Mesmo não fazendo atuações no campeonato da elite do estado, a simpatica equipe de Mari sempre orgulhou os filhos da terra, sagrando-se campeão da Copa Matutão, em 1980-(espécie de segunda divisão do paraibano de hoje).
Devido a essa alegria, a forte equipe ganhou o apelido de "O mais querido do brejo". O Cruzeiro de Mari, foi um adversário á altura para as principais equipes do futebol paraibano, enfrentando; Treze, Campinense, Botafogo, Guarabira e o também extinto Confiança de Sapé. Possível escalacão de uma das fotos, em pé: Guri, Adroaldo, Nozinho, Lula, Mison, Alcídes, agachados: Bibiu, Ribeiro, Nêgo, Romeu e Gordo. FONTES: Federação Paraibana de Futebol CRÉDITO: Aldoberg Ivanildo da Silva

De acordo com a CBF o Estádio O Tadeuzão em Sapé/PB é municipal

A Diretoria de Competições da CBF concluiu o Cadastro Nacional de Estádios de Futebol (CNEF) 2016. É um raio-X do cenário brasileiro, que tem 790 locais de disputa catalogados pela entidade.O documento de 97 páginas tem detalhes como a localização, proprietários, capacidade, iluminação e a ficha de cada estrutura. A Região Sudeste tem 260 estádios, sendo 132 municipais, 125 particulares e três estaduais. O Nordeste vem na sequência, com 241. O Sul conta com 144 e o Centro-Oeste com 85. Já a Região Norte tem 60.A maioria dos estádios (59,2%) é administrada pelos governos municipais. Os particulares preenchem a segunda maior fatia: 34,4%. Os estaduais são 5,9% e os federais apenas 0,5%.O cadastro inclui lugares que recebem jogos recreativos, amadores e profissionais em todas as esferas de organização, seja a partida menos expressiva de um campeonato municipal à final do Brasileirão. Por isso, esse relatório tem números curiosos, como os índices de estádios com (64%) e sem (36%) iluminaç…