Pular para o conteúdo principal

Retorno de Eike ao Brasil foi negociado com a PF

O empresário Eike Batista embarcou na noite de domingo no voo 973 da American Airlines para se entregar à Polícia Federal (PF) na manhã desta segnda-feira no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio. Na sala de embarque do aeroporto JFK, em Nova York, Eike disse ao GLOBO, que retorna ao Brasil para colaborar com a Justiça.

Investigadores à frente do caso no Rio confirmaram, ontem, que esperavam que o empresário se apresentasse nesta segunda-feira às autoridades. Eike teve seu pedido de prisão preventiva expedido na quinta-feira em decorrência das apurações da Operação Eficiência, desdobramento da Lava-Jato. Ele é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro, por, segundo o Ministério Público Federal (MPF), ter pago US$ 16,5 milhões em propinas no exterior ao ex-governador Sérgio Cabral.

Considerado foragido após não ter sido encontrado em sua casa na última quinta-feira, Eike assumiu, junto a autoridades brasileiras, o compromisso de voltar ao Rio. A PF decidira que, se o empresário não cumprisse o acordo, pediria imediatamente a prisão dele nos Estados Unidos. Caso fosse necessário, o pedido seria feito por intermédio do Departamento de Recuperação de Ativos Financeiros (DRCI), órgão do Ministério da Justiça.

A demora das autoridades brasileiras em conseguir que Eike fosse preso em Nova York, uma das cidades mais conhecidas pelo alcance de seu policiamento, não foi gratuita. Na verdade, em nenhum momento, os investigadores ou o governo brasileiro pediram que o empresário fosse de fato preso pela polícia americana.

Ao contrário de alguns países que iniciam buscas tão logo o nome do procurado seja incluído na lista da Interpol, os Estados Unidos exigem que a agência internacional ou o governo do país interessado na prisão faça um pedido específico no ministério público local — um juiz precisa deferir a solicitação. A Polícia Federal, deliberadamente, não deu este passo. O objetivo era conseguir que Eike se entregasse de forma negociada, o que vai ocorrer hoje.

De acordo com autoridades brasileiras, a negociação é vantajosa, uma vez que a prisão do empresário no exterior exigiria um longo processo de extradição ou deportação, cujo trâmite poderia durar meses.

Nos últimos dias, após ser deferido o pedido de prisão no Brasil, as negociações para que Eike se entregasse tiveram idas e vindas. Na manhã de sábado, autoridades brasileiras chegaram a acertar com a defesa do empresário que ele embarcaria ainda naquela noite para o Rio de Janeiro, onde se entregaria na manhã de ontem. O empresário, no entanto, recuou e pediu mais um dia.

Na sexta-feira, o advogado de Eike, Fernando Martins, reuniu-se com integrantes da força-tarefa responsável pelas investigações dos desdobramentos da Operação Lava-Jato no Rio, composta por representantes do MPF e da PF. Um dos participantes da reunião disse ao GLOBO que o grupo sustentou que não havia nada que pudesse ser feito e que o empresário deveria se entregar, já que tem contra si um mandado de prisão preventiva. Após o encontro, procuradores afirmaram que não negociaram condições para que Eike se entregasse. O advogado do empresário também afirmou, em nota, que não estabeleceu condições para que ele se apresentasse. Martins disse que a conduta seria “juridicamente incabível” e afirmou que Eike sempre esteve disposto a colaborar com os investigadores e a Justiça.

O empresário viajou para Nova York na terça-feira, mas os agentes só souberam que ele havia deixado o Brasil após a tentativa frustrada de prendê-lo em casa, no Jardim Botânico, Zona Sul do Rio. A prisão foi determinada em despacho assinado no dia 13 de janeiro pelo juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal Criminal. Inicialmente, havia o temor entre investigadores de que o empresário traçasse uma rota de fuga. Os registros mostraram que ele embarcara levando também o passaporte alemão. Como tem cidadania, caso chegasse ao país europeu, a captura poderia ser inviabilizada. Com os sinais, ao longo dos dias, de que Eike pretendia se entregar, o medo de que ele fugisse se dissipou.

Assim que desembarcar no Rio, Eike deverá ser levado para prestar depoimento na Superintendência da Polícia Federal. A expectativa é que a operação seja feita de forma “discreta” — a tendência é que o empresário entre em um carro da PF ainda na pista, sem passar pelo saguão do aeroporto. Há ainda a possibilidade, vista como mais remota, de que o depoimento aconteça na unidade da PF no Galeão.

O Globo

As Mais Visitadas

Prefeitos baianos do PMDB, DEM e outras siglas fazem fila de quase uma hora para tirar selfies com Lula

Ontem (19) pela manhã, o petista participou de um evento com mais de 60 prefeitos de cidades do interior baiano. Na plateia havia políticos de partidos como PMDB e DEM, que apoiaram o Senado investigasse a ex-presidente Dilma Rousseff e integram a base do governo Michel Temer. Quem via de longe pensava que as filas próximas ao palco para tirar uma selfie com Lula era da comunidade local, mas eram compostas na realidade por gestores das mais variadas correntes.Apesar das críticas de Lula ao atual presidente Michel Temer, os prefeitos formaram uma fila de quase uma hora para tirar fotos com o petista. Um prefeito do PMDB que pediu para não ter o nome divulgado explicou tanta admiração. Segundo ele, Lula é muito admirado no Nordeste e pode ser um grande cabo eleitoral para 2018.Lula usou um palavrão para criticar a situação econômica do País. "Este País é grande demais. Este País não nasceu para ser a m. que é", disse o ex-presidente que logo em seguida tentou se desculpar. &qu…

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…