Pular para o conteúdo principal

Secretário assume protagonismo na gestão de Antônio Gomes em Marí/PB

Revista Páginas - A dobradinha formada entre o prefeito de Marí/PB Antônio Gomes e o seu secretário de Ação Social, Severino Ramo, começa a surpreender até o mais pessimista mariense.

Mesmo não estando à frente oficialmente da secretaria de agricultura do município, Severino Ramo protagonizou hoje (21) na feira livre a realização de uma feira Agroecológica. Os agricultores que trabalham com produtos agroecológicos, ganharam um espaço específico para comercializar sua produção no município. No meio de semana o secretário intermediou uma conversa entre o Movimento dos Trabalhadores Sem Terras (MST) e Sem Tetos com o prefeito Antônio Gomes, naturalmente pacificando o diálogo. 

Em entrevista nesta manhã(21) ao programa radiofônico Notícias e Debate da emissora comunitária Araçá FM, Ramo, disse ter autonomia na sua secretaria e que ao lado do prefeito irá realizar um trabalho social eficiente, esta resposta foi uma alusão à indagação do âncora do programa, Paulo Sérgio, que perguntou se o mesmo seria um secretário de fachada. 

Participando da mesma entrevista, o prefeito Antônio Gomes, avaliou os seus primeiros dias de gestão e foi enfático " Na minha gestão vou priorizar o povo, e deixar a classe política para depois" para em seguida rasgar elogios ao seu secretário "Meu amigo Ramo tem grande experiência em projetos, com certeza irá contribuir muito na minha gestão", afirmou Gomes.

A badalada entrevista bem conduzida por Paulo Sérgio, teve a participação do povo, dentre os participantes o ex-diretor de cultura Assis Firmino, que elogiou os primeiros passos da gestão de Gomes e a idealização de Ramo a realização da feira Agroecológica.

Hoje será realizada no município a primeira noite da tradicional Festa de São Sebastião co-padroeiro.

Comentários

As Mais Visitadas

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Joe Metheny, assassino em série que chocou a América

Joe Metheny, assassino em série que chocou a América, conhecido como “O Canibal”, fotografado dentro de uma cela em um hospital psiquiátrico, no início da década de 1990.O criminoso ficou conhecido por fazer hambúrgueres com carne humana. Em 1995 ele atraiu duas prostitutas, de 26 e 45 anos, esfaqueando-as e estrangulando-as. Segundo o próprio, “...cortei a carne, pus em Tupperwares e pus no congelador... Abri uma barraquinha para vender sanduíches de carne... A carne humana é parecida com a de porco, misturadas não se dá pela diferença...”Em 2000 foi condenado a prisão perpetua. (Via Imagens e Histórias)

O Verão da Lata: setembro de 1987

Imagens & Histórias O verão de 1987/88 foi marcado por um inusitado acontecimento, que começou na primavera, lançando moda e modificando a vida de muita gente. Numa manhã de setembro, as praias foram tomadas por latas de aço. Precisamente 15 mil delas. Dentro de cada uma, um quilo e meio de maconha, prensada e embalada a vácuo.A viagem seguia tranquila até que os tripulantes do cargueiro foram informados via rádio de que a Polícia Federal e a Marinha do Brasil já estavam cientes do conteúdo de sua carga – mais de 20 toneladas de maconha prensada, em latas cilíndricas de 2 quilos cada. Sabendo do problema que teriam caso a Polícia chegasse ao navio, a tripulação jogou ao mar todas as latas. Em pouco tempo as praias de São Paulo, Espírito Santo e principalmente as do Rio de Janeiro receberam suas primeiras latas perdidas. O Rio de Janeiro vivia uma das suas piores secas de maconha. As que eram vendidas eram de baixo THC e caras. No entanto, a que veio do mar não era a Cannabis Sativ…