Pular para o conteúdo principal

Diogo Paiva explica os cuidados com a saúde bucal na gravidez

No quadro saúde: Saúde bucal na gravidez

Durante a gestação, principalmente na primeira, surgem muitas dúvidas para a mulher. A nossa cultura mistifica algumas coisas e outras são tabus para profissionais da área da saúde e para as futuras mamães.

Do ponto de vista odontológico, iremos abordar alguns mitos e esclarecer algumas dúvidas, para fazer dessa época da vida da mulher, algo prazeroso e não doloroso.

Já foi abordado em publicações anteriores o mito que os dentes das grávidas ficam mais frágeis ( HYPERLINK "http://revistapaginas.blogspot.com.br/2017/02/alguns-mitos-e-verdades-sobre-carie-por.html" http://revistapaginas.blogspot.com.br/2017/02/alguns-mitos-e-verdades-sobre-carie-por.html). Apesar do mito na sua relação com a gestação, a maioria das grávidas adquirem problemas bucais. Aí surgem outros questionamentos: As mulheres que estão grávidas podem sofrer intervenções odontológicas?
A resposta é sim. Porém, devemos ressaltar que alguns cuidados adicionais deverão ser tomados, além do bom senso em relação ao tipo de procedimento a ser executado. Na literatura não há evidências científicas que impeçam o tratamento odontológico em gestantes, devido principalmente a falta de estudos nessa área, porém, devemos entender que há uma doença e que ela deve ser tratada independente de gravidez ou não. Inclusive, se necessário for, podem ser realizadas radiografias para fechar algum diagnóstico, fazendo uso racional e evitando caso seja possível. Outro procedimento que pode ser tranquilamente executado é a aplicação tópica de flúor, visto que esse flúor não é ingerido, portanto, não pode prejudicar o bebê.

Quanto à inserção e remoção de materiais odontológicos contendo mercúrio, como é o caso do amálgama, recomenda-se, desde que possível, que o amálgama não seja inserido nem removido da cavidade bucal de gestantes, pelo risco de inalação e absorção da substância. Clinicamente, portanto, devemos evitar restaurar dentes de gestantes com amálgama, no entanto, caso seja necessário remover o material por necessidade extrema de trocas de restaurações ou acesso à câmara pulpar de um dente previamente restaurado, devemos realizar o procedimento sob isolamento absoluto.

O atendimento pode ser realizado em qualquer fase da gestação. Principalmente em casos de urgência, porém o segundo trimestre é mais cômodo para as gestantes por diversos motivos: Gestante mais tranquila porque a “fase difícil” passou, formação do feto concluída, menor incidência de enjoos, menor peso que no último trimestre, que é o mais seguro, porém, o mais desconfortável para mulher.

Ah! Mais eu não suporto sentir dor? E agora? Existem anestésicos que podem ser utilizados de forma segura nos procedimentos em qualquer fase da gravidez. Portanto, se for necessário sua utilização para um atendimento mais cômodo e confortável a gestantes, eles podem ser utilizados tranquilamente.
E se for preciso tomar algum medicamento? A regra é a mesma. Diversos medicamentos têm uso tido como seguro para gestantes, porém, gostaria de fazer um alerta para a automedicação. Existe um risco de problemas para o feto e também para a mãe quando utilizam-se alguns antiinflamatórios no último trimestre de gravidez, portanto, nunca utilize um medicamento sem o conhecimento ou a prescrição de um profissional de saúde, isso pode ser um risco para sua vida e para a vida do seu filho.

Uma informação importante é que a doença periodontal, que tem relação com as alterações hormonais decorrentes da gravidez também possui relação com o nascimento de fetos prematuros e com baixo peso, mas, isso é um assunto para outro dia. No entanto, fica o alerta para você que está grávida se policie e procure manter a sua saúde bucal num nível adequado, isso trará benefícios para você e para seu filho que está por vir.

E lembre-se sempre: Dentista não cuida apenas de dentes, cuida de gente. Até a próxima.

Referências:
ECHEVERRIA, Sandra. Tratamento Odontológico para Gestantes, 2ª edição. Santos, 03/2014. [Minha Biblioteca].
VASCONCELOS et al. Atendimento odontológico a pacientes gestantes: como proceder com segurança Rev. bras. odontol., Rio de Janeiro, v. 69, n. 1, p. 120-4, jan./jun. 2012

Diogo Paiva

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja