Pular para o conteúdo principal

Filme da Lava Jato custa R$ 15 mi, tem investidor secreto e estreia em julho

Com arma, uniforme, carro, helicóptero e avião cedidos pela Polícia Federal, "Polícia Federal - A Lei É para Todos" vai levar aos cinemas de forma "muito imparcial" a história da Lava Jato. O ponto de vista será -finja surpresa- o de policiais federais.

Mais entretenimento, menos panfleto político. Essa é a fórmula do diretor Marcelo Antunez para remontar os primeiros anos da operação que pôs meia Brasília e parte do PIB nacional de cabelos, implantes e perucas em pé.

Mas, ao adotar a ótica dos investigadores, ele arrisca se indispor com metade deste "Fla-Flu incrível que o caso criou no país", reconhece.

"Tem gente que vai ver que nós tentamos [a neutralidade], e tem gente que vai dizer que não adiantou nada", afirmou na semana passada, durante as filmagens.

O apartamento na Barra da Tijuca simula o dúplex no condomínio Hill House, em São Bernardo do Campo, onde Lula e sua mulher, Marisa Letícia (1950-2017), moravam.

A cena ali gravada é uma das últimas do longa de 2 horas e 10 minutos, um colosso para padrões brasileiros. A previsão de estreia é julho.

O filme abordará os primórdios da investigação e terminará com a ida compulsória de Lula para prestar depoimento na PF, quatro meses antes de virar réu da Lava Jato. Ou seja, deixará de fora a queda de grandes empreiteiros e de caciques de outros partidos que não o PT.

Se a lei é para todos, como prega o título, será preciso aguardar cenas dos próximos capítulos para ver a casa cair de vez. Segundo o produtor Tomislav Blazic, o plano é fechar uma trilogia sobre a Lava Jato, obra em construção também na vida real.

Ary Fontoura interpreta o ex-presidente, que usava roupa de ginástica (ia para a academia) quando a PF bateu à porta, em março de 2016. Achou que estava sendo preso. Um dos delegados diz que não, que "isso se chama condução coercitiva". "Isso se chama filha da putice", rebate Lula, levado à força para uma área policial no aeroporto de Congonhas.

A ficção oferece versão mais enxuta do que se passou naquela manhã, segundo gravação que a PF fez no dia. Dona Marisa (Sandra Corveloni), que morreria em menos de um ano, está nervosa. Agentes se apinham no apartamento, sob liderança de Ivan (Antonio Calloni), fusão ficcional de vários delegados. A referência mais óbvia: Igor de Paula, um dos chefes da operação, que na verdade não participou da condução de Lula na data.

Lula chega a fazer piada com a ausência de um colega deles, Newton Ishii, vulgo Japonês da Federal. Famoso por prender figurões, ele próprio foi para o xilindró, acusado de facilitar contrabando no país -depois fez escolta de suspeitos da Lava Jato usando tornozeleira eletrônica.

"Não trouxeram o japonês de Curitiba?" Lula ouve que não e se diz aliviado: "Ainda bem. Capaz de ele roubar as minhas coisas aqui em casa".

Mais tarde, o depoente ameaçaria: "Eu vou voltar a ser presidente em 2018 e lembrarei da cara de cada um de vocês. Me aguardem".

Para muitos, os delegados são os salvadores de uma pátria eticamente falida -entre seus fãs, Marcelo Serrado, que vive o juiz Sergio Moro, "um herói" para o ator. Para tantos outros, eles são exemplos de um Judiciário parcial, o que teria ficado evidente com o apoio de algumas dessas autoridades a Aécio Neves nas eleições de 2014; já Lula era xingado: "Alguém segura essa anta, por favor!", escreveu o delegado Márcio Anselmo na internet.

Atores tiveram canal aberto com agentes e até visitaram a carceragem da PF em Curitiba, em acordo sem precedentes, diz o produtor Tomislav. Questionada, a instituição não respondeu.

Para Antunez, terminar seu filme com o depoimento forçoso de Lula não foi gratuito. "Aquele momento é divisor de águas. Um marco para quem acha que a Lava Jato está exercendo papel benéfico. E aqueles que a veem como partidária também acham que esse momento é importante."

Até aqui, o cineasta dirigiu comédias que superaram 1 milhão de espectadores ("Até que a Sorte nos Separe 3", "Um Suburbano Sortudo"). O novo filme é um "thriller investigativo" que ele diz seguir a linha de "A Grande Aposta", obra com vários protagonistas e montagem ligeira.

BIG BANG

Antes da dona Marisa ter um aneurisma, do avião do ministro Teori Zavascki cair, de Marcelo Odebrecht, Eduardo Cunha e Eike Batista irem em cana, do Japonês da Federal perder o status de policial-celebridade para um colega barbudo, o Lenhador...

Antes disso tudo, em 2013, a PF apreendeu um caminhão carregado de palmito -e 697 kg de cocaína. Era a Operação Bidone (nome de filme de Federico Fellini, que no Brasil se chamou "A Trapaça").

Essa investigação paralela implicou o doleiro Alberto Youssef. No cárcere, ele acabou delatando na Lava Jato. Assim começa a história do filme.

Já os bastidores da obra renderiam um capítulo à parte. Orçada em R$ 15 milhões, a produção não revela seus investidores. "Zero dinheiro público", limita-se a dizer Tomislav.

Segundo Antunez, o sigilo (incomum no cinema) é uma proteção. Num clima tão polarizado, "as pessoas têm receios de várias ordens, até de integridade física", afirma.

A caixa preta alimentou boatos de que a prisão de Eike Batista em janeiro teria paralisado o set, já que o empresário seria um dos patrocinadores. "Ele nunca chegou perto do filme", afirma o diretor.

Poderá chegar -como personagem nas sequências planejadas. Uma coisa é certa: o Brasil dá mesmo um filme.

Folha de S.Paulo

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Mari/PB: Anos dourado do futebol amador

Os anos 90 foram de glória para o futebol amador da bela cidade de Mari na Paraíba.
O estádio Pedro Thomé de Arruda foi palco de grandes jogos do concorrido campeonato Mariense. Grandes equipes à exemplo;  Botafogo de Tita, ABC da rua 15, 5 da manhã do amigo - amiguinho, Estrela Vermelha, Vasco, Palmeiras do Guarda e muitos outros...
Aos finais de semana, o campeonato Mariense era atração certa. A rivalidade entre as equipes despertavam o interesse do público que lotavam o estádio do Cruzeiro localizado no bairro Vermelho.
Um campeonato bem organizado, e com personagens inusitados; kinket massagista, o trio do Botafogo-Tita, Nô e Alexandre garapão, os irmãos do ABC, Ramo Mago do Abacaxi, Guarda do Palmeiras e etc...
Atrás do alambrado os torcedores, motivados pelos belos jogos, participavam de forma eufórica nas partidas. No estádio era fácil de encontrar lanches deliciosos; laranja, amendoim, pastel e o popular "dindin".
No estádio as discussões sadias entres os torced…