Pular para o conteúdo principal

Memorial das Ligas camponesas promove Semana Elizabeth Teixeira

Camponesas, em parceria com o Centro de Comunicação, Turismo e Artes da Universidade Federal da Paraíba (CCTA/UFPB), com a Secretaria de Cultura do Estado da Paraíba e diversos artistas parceiros, promoverão a Semana Elizabeth Teixeira, que ocorrerá entre os dias 13 e 18 de fevereiro, no Campus da UFPB, na Usina Cultural Energisa e no Escola de Formação João Pedro e Elizabeth Teixeira/MST, em Lagoa Seca.

A semana em homenagem à líder camponesa terá uma agenda intensa de atividades, com a celebração do aniversário de 92 anos de idade de Elizabeth Teixeira, considerada uma das mulheres mais importantes e marcantes na luta camponesa do século XX.

Essas comemorações darão início à campanha de arrecadação de fundos para a continuidade às lutas em defesa dos trabalhadores camponeses e à construção do prédio Anexo do Memorial das Ligas Camponesas, fundamental para estruturar e dar suporte a projetos de longo prazo promovidos pela entidade.

Programação

Dia 13/02 – 17h – Cine Aruanda (CCTA/UFPB – próximo a entrada em frente à rotatória da UFPB): Celebração dos 92 anos de Elizabeth Teixeira, com lançamento do livro “Elizabeth Teixeira, mulher da terra”, de Ayala A. Rocha, e participação do Coral Voz Ativa, Vera Lima e Banda Manégrafia.

Dia 15/02 – 19h30min – Cine Aruanda (CCTA/UFPB – próximo a entrada em frente à rotatória da UFPB): Exibição do filme “Cabra Marcado Para Morrer”, de Eduardo Coutinho.

Dia 17/02 – 20h – Usina Cultural Energisa: Show beneficente, com a participação dos artistas Adeildo, Banda Manégrafia, Coral Voz Ativa, Glaucia Lima, Escurinho, Seu Pereira, Milton Dornellas e Totonho. Adesão: R$ 20,00.

Dia 18/02 – Escola de Formação João Pedro e Elizabeth Teixeira/MST, em Lagoa Seca: Lançamento do livro “Elizabeth Teixeira, mulher da terra”, de Ayala A. Rocha.

Adufpb.org.br

Comentários

As Mais Visitadas

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Joe Metheny, assassino em série que chocou a América

Joe Metheny, assassino em série que chocou a América, conhecido como “O Canibal”, fotografado dentro de uma cela em um hospital psiquiátrico, no início da década de 1990.O criminoso ficou conhecido por fazer hambúrgueres com carne humana. Em 1995 ele atraiu duas prostitutas, de 26 e 45 anos, esfaqueando-as e estrangulando-as. Segundo o próprio, “...cortei a carne, pus em Tupperwares e pus no congelador... Abri uma barraquinha para vender sanduíches de carne... A carne humana é parecida com a de porco, misturadas não se dá pela diferença...”Em 2000 foi condenado a prisão perpetua. (Via Imagens e Histórias)

O Verão da Lata: setembro de 1987

Imagens & Histórias O verão de 1987/88 foi marcado por um inusitado acontecimento, que começou na primavera, lançando moda e modificando a vida de muita gente. Numa manhã de setembro, as praias foram tomadas por latas de aço. Precisamente 15 mil delas. Dentro de cada uma, um quilo e meio de maconha, prensada e embalada a vácuo.A viagem seguia tranquila até que os tripulantes do cargueiro foram informados via rádio de que a Polícia Federal e a Marinha do Brasil já estavam cientes do conteúdo de sua carga – mais de 20 toneladas de maconha prensada, em latas cilíndricas de 2 quilos cada. Sabendo do problema que teriam caso a Polícia chegasse ao navio, a tripulação jogou ao mar todas as latas. Em pouco tempo as praias de São Paulo, Espírito Santo e principalmente as do Rio de Janeiro receberam suas primeiras latas perdidas. O Rio de Janeiro vivia uma das suas piores secas de maconha. As que eram vendidas eram de baixo THC e caras. No entanto, a que veio do mar não era a Cannabis Sativ…