Pular para o conteúdo principal

Mulheres donas de negócio crescem 12,5% em três anos na PB, diz Sebrae

Quatro mulheres. Todas sócias, líderes, donas do negócio. É assim que é gerida a marca de confecções Lerita, em João Pessoa. Ao longo de nove anos, a empresa que começou despretensiosamente formalizou a marca, ganhou uma sede, expandiu seu leque de produtos, introduziu mercadorias de outros estados e abriu uma loja na avenida comercial com um dos metros quadrados mais caros da cidade.

Para provar que mulher na liderança nunca é demais, cada sócia tem uma função fundamental na gestão da empresa. Camila Neiva é a responsável pela comunicação, marketing e loja virtual. A irmã dela, Luana, cuida do desenvolvimento e pesquisa. A mãe das duas, Valéria, fica encarregada da produção dos produtos. A cunhada, Sara, administra as vendas e a loja física.
A Lerita reflete o cenário do mercado de empreendedores tanto na Paraíba quanto no país como um todo. O número de mulheres donas de negócio no estado cresceu 12,5% em três anos, segundo dados do estudo “Os Donos de Negócio no Brasil: análise por sexo”, do Sebrae. No Brasil, a expansão foi de 34%, em 13 anos, entre 2001 e 2014, passando de 5,9 para 7,9 milhões de mulheres à frente de negócios.

De acordo com o levantamento, a quantidade de mulheres empresárias subiu de 140.509 em 2011 para 158.199 em 2014. Por outro lado, houve queda na quantidade de homens à frente de negócios. O número caiu de 322.094 empresários para 291.474, o que corresponde a uma variação negativa de 9,5%.

A empresa começou em 2008, quando as duas irmãs começaram a fazer bolsas para elas mesmas. “Eu me formei em publicidade e minha irmã, em moda. A gente começou a querer ter alguma coisa nossa e, junto com nossa mãe, que também estava sem nenhuma tarefa, e a gente começou a brincar de fazer bolsas para a gente e as nossas amigas começaram a se interessar”, lembrou Camila.

A brincadeira começou a ficar séria e, em 2012, as quatro sócias abriram a primeira loja, que funcionava no bairro do Miramar. Junto com a formalização da empresa, veio a ampliação das opções de produtos. As bolsas ganharam novos materiais e teve início a produção de sapatos. Elas perceberam uma tendência de mercado e começaram a introduzir mercadorias vindas do Sudeste na marca.

Mas esse ainda era apenas o início. Após dois anos, a loja do Miramar virou apenas um escritório e a empresa passou a operar na Avenida Edson Ramalho, um grande corredor comercial localizado na orla da cidade. “A gente queria agregar mais público, começou a produzir com material mais resistente. Com experiência, foi trabalhando com novos materiais, melhorando o produto, e também começou a produzir roupas, que era uma vontade nossa desde o início”, contou.

Hoje, as empresárias consideram que chegaram à variedade de produtos que pretendiam no começo do empreendimento. De todas as peças comercializadas na Lerita, 80% são de confecção própria, feitos na Paraíba.
Como não poderia deixar de ser, as donas da Lerita, que fazem uma marca que têm como público principal as mulheres, lutam pelo empoderamento por meio de seus produtos. “A gente quer se mostrar como mulheres empoderadas, passar essa informação, essa mensagem. A gente tenta não fazer nada muito comercial, só porque está na moda. Queremos que quem usa nossos produtos se senta bem, se sinta livre”, disse.

G1

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

De volta ao Brasil colonial (4)

(Fragmento do artigo de João Sicsú   disponível no site da CartaCapital)"Mais que o governo, o Estado se torna autoritário e violento. Todas as instituições que outrora deveriam constituir uma república democrática se voltam contra os trabalhadores. A Justiça, o governo, o Congresso, as polícias e os grandes meios de comunicação estarão todos a serviço da nova Coroa e contra os trabalhadores. Os cargos de comando nessas instituições são ocupados majoritariamente por integrantes de famílias tradicionais e conservadoras da elite local. E essa elite se desdobra para favorecer a nova Coroa e seus próprios interesses (de poder e patrimoniais).A elite colonizada se revela sem qualquer discrição: rouba, forma quadrilhas, paga e recebe propina, não atende necessidades básicas da população, saqueia o orçamento público e elimina direitos sociais. O Estado democrático, prestador de serviços e garantidor do bem-estar social desaparece. O Estado volta a ser autoritário, violento e perde a fu…