Pular para o conteúdo principal

Mulheres donas de negócio crescem 12,5% em três anos na PB, diz Sebrae

Quatro mulheres. Todas sócias, líderes, donas do negócio. É assim que é gerida a marca de confecções Lerita, em João Pessoa. Ao longo de nove anos, a empresa que começou despretensiosamente formalizou a marca, ganhou uma sede, expandiu seu leque de produtos, introduziu mercadorias de outros estados e abriu uma loja na avenida comercial com um dos metros quadrados mais caros da cidade.

Para provar que mulher na liderança nunca é demais, cada sócia tem uma função fundamental na gestão da empresa. Camila Neiva é a responsável pela comunicação, marketing e loja virtual. A irmã dela, Luana, cuida do desenvolvimento e pesquisa. A mãe das duas, Valéria, fica encarregada da produção dos produtos. A cunhada, Sara, administra as vendas e a loja física.
A Lerita reflete o cenário do mercado de empreendedores tanto na Paraíba quanto no país como um todo. O número de mulheres donas de negócio no estado cresceu 12,5% em três anos, segundo dados do estudo “Os Donos de Negócio no Brasil: análise por sexo”, do Sebrae. No Brasil, a expansão foi de 34%, em 13 anos, entre 2001 e 2014, passando de 5,9 para 7,9 milhões de mulheres à frente de negócios.

De acordo com o levantamento, a quantidade de mulheres empresárias subiu de 140.509 em 2011 para 158.199 em 2014. Por outro lado, houve queda na quantidade de homens à frente de negócios. O número caiu de 322.094 empresários para 291.474, o que corresponde a uma variação negativa de 9,5%.

A empresa começou em 2008, quando as duas irmãs começaram a fazer bolsas para elas mesmas. “Eu me formei em publicidade e minha irmã, em moda. A gente começou a querer ter alguma coisa nossa e, junto com nossa mãe, que também estava sem nenhuma tarefa, e a gente começou a brincar de fazer bolsas para a gente e as nossas amigas começaram a se interessar”, lembrou Camila.

A brincadeira começou a ficar séria e, em 2012, as quatro sócias abriram a primeira loja, que funcionava no bairro do Miramar. Junto com a formalização da empresa, veio a ampliação das opções de produtos. As bolsas ganharam novos materiais e teve início a produção de sapatos. Elas perceberam uma tendência de mercado e começaram a introduzir mercadorias vindas do Sudeste na marca.

Mas esse ainda era apenas o início. Após dois anos, a loja do Miramar virou apenas um escritório e a empresa passou a operar na Avenida Edson Ramalho, um grande corredor comercial localizado na orla da cidade. “A gente queria agregar mais público, começou a produzir com material mais resistente. Com experiência, foi trabalhando com novos materiais, melhorando o produto, e também começou a produzir roupas, que era uma vontade nossa desde o início”, contou.

Hoje, as empresárias consideram que chegaram à variedade de produtos que pretendiam no começo do empreendimento. De todas as peças comercializadas na Lerita, 80% são de confecção própria, feitos na Paraíba.
Como não poderia deixar de ser, as donas da Lerita, que fazem uma marca que têm como público principal as mulheres, lutam pelo empoderamento por meio de seus produtos. “A gente quer se mostrar como mulheres empoderadas, passar essa informação, essa mensagem. A gente tenta não fazer nada muito comercial, só porque está na moda. Queremos que quem usa nossos produtos se senta bem, se sinta livre”, disse.

G1

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Adolescente de 14 anos é morta por ex-namorado após ‘ficar’ com outro rapaz em festa na PB

Uma adolescente de 14 anos foi assassinada com dois tiros na madrugada deste domingo (6) em São Sebastião de Lagoa de Roça (Agreste do estado, a 107 km de João Pessoa). O principal suspeito do crime é o ex-namorado da vítima.De acordo com o delegado Ramirez São Pedro, do Núcleo de Homicídios de Queimadas, o crime aconteceu horas após o suspeito ter visto a garota com outro rapaz em uma festa em um sítio da região. Ela havia terminado o namoro com ele há quatro meses e, desde então, recebia muitas ameaças.“Eles namoraram por dois meses e há quatro estavam separados, mas o suspeito não aceitava a situação e ameaçava muito a menina. Na noite de ontem [5], ele viu ela ‘ficando’ com outro rapaz em uma festa e novamente a ameaçou, dizendo que daquela noite ela não passava. A vítima relatou a ameaça a policiais militares que estavam na festa, mas o suspeito já tinha ido embora”, disse o delegado.Depois da festa, a garota foi dormir na casa de uma amiga. Por volta das 4h, o suspeito chegou lá…