Pular para o conteúdo principal

Delações não importam. Lula é o alvo

As pesquisas que indicaram a vitória de Lula em qualquer cenário, caso as eleições presidenciais fossem hoje, aceleraram os mecanismos montados no Judiciário, em especial na Lava-Jato, para eliminar o líder petista da vida pública e impedi-lo de concorrer ao próximo pleito. Até um cego é capaz de detectar as manobras realizadas, agora já às escâncaras, para justificar uma eventual prisão do ex-presidente e condená-lo mesmo sem provas para torná-lo inelegível. O juiz Sergio Moro, visto por muitos como super-heroi e paladino da Justiça, é o principal instrumento utilizado pela direita para que essa injustiça gritante seja perpetrada, sob as vistas complacentes do Supremo Tribunal Federal e os aplausos da mídia. Agora, pergunta-se: que mal Lula fez a essa gente para alimentarem tanto ódio?

Na verdade, Lula não fez mal a nenhum deles, mas contrariou seus interesses políticos e econômicos, na medida em que direcionou o seu governo para os pobres e impediu a dilapidação do patrimônio nacional pelos vendilhões da pátria. Seu maior crime, no entanto, talvez tenha sido a libertação do Brasil das garras do Tio Sam, colocando-o entre as grandes nações como país emergente, ombreando-o, entre outros, com a Rússia e a China. Isso desagradou profundamente os Estados Unidos que, habituados a tratar-nos como seu quintal, viram com preocupação a nossa aproximação com russos e chineses. E certamente tiveram participação decisiva no golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff, associando-se aos maus brasileiros que ambicionavam o poder. Montaram, então, um esquema destinado não apenas a afastar Dilma mas, também, a impedir Lula de voltar ao Palácio do Planalto.

Enquanto delatores afirmam ter entregue milhões de reais a figurões da política, como Aécio Neves e José Serra, por exemplo, o pessoal da Lava-Jato tenta, desesperadamente, encontrar um fiapo de indício que possa incriminar Lula de qualquer coisa. Ninguém até hoje disse ter dado a ele sequer dez centavos, mas os diligentes investigadores, sob o comando do juiz Sergio Moro, insistem em apontá-lo como proprietário do apartamento do Guarujá e do sitio em Atibaia, na esperança de enquadrá-lo como beneficiário de obras realizadas pela construtora OAS. À falta de coisa melhor, esse é o crime que pretendem atribuir ao ex-presidente operário, embora não exista uma só prova de que os imóveis pertençam a ele. Aliás, o próprio ex-presidente da OAS, Leo Pinheiro, já inocentou Lula no seu primeiro depoimento, mas teria mudado a sua versão em novo depoimento para incriminá-lo e, o que é mais grave, atendendo a suposta orientação dos próprios investigadores, como moeda de troca para obter a liberdade.

E os milhões doados a tucanos, inclusive no exterior, conforme confissão dos doadores? Bem, isso não parece despertar o menor interesse, porque o objetivo da Lava-Jato seria combater a corrupção apenas de petistas e aliados, não de tucanos e peemedebistas. Na verdade, o alvo é Lula. Nove ministros do governo Temer são acusados do recebimento de propinas milionárias, inclusive o próprio Temer, mas eles permanecem tranquilamente nos cargos sem serem incomodados. Aécio, o mais delatado dos políticos, se movimenta com incrível desenvoltura como se não estivessem falando dele. E não se tem notícia de nenhuma iniciativa do Judiciário para puni-los a médio prazo. Nem se deve esperar qualquer ação do juiz Moro, que já foi flagrado em sorridente bate-papo com o "mineirinho" da Odebrecht e com um sorriso subserviente no cumprimento ao presidente postiço Temer, durante evento em Brasília. A carranca do magistrado, pelo visto, é só para os seus prisioneiros, sobretudo para os petistas. Tem-se a impressão que ele faz tipo para intimidar os que caem em suas malhas.

Observa-se que o pessoal da Lava-Jato, transformado pela mídia em estrelas, está se movimentando com um olho no peixe e outro no gato, ou seja, com um olho em Lula e outro no projeto de lei sobre abuso de poder em tramitação no Senado. Ao mesmo tempo em que buscam algo que possa incriminar o ex-presidente petista, de modo a impedir sua volta ao Planalto pelos braços do povo, se empenham para evitar a aprovação do projeto que pode enquadrar os seus abusos. E produzem até vídeos que espalham nas redes sociais, pretendendo influenciar internautas anencéfalos que embarcam em tudo o que é postado na internet. Sem votos e sem mandato eles resolveram agora fazer leis ou interferir nas atividades do Congresso, extrapolando suas funções de servidores públicos encarregados de cumprir a legislação, provavelmente empolgados pela fama. E como o país virou casa de mãe Joana, onde todo mundo faz o que quer, eles se julgam no direito de fazer política. Como a classe política está desacreditada, consequência de uma sistemática campanha de desmoralização, os Trumps da vida querem ocupar os espaços. Um perigo para o país.

Ribamar Fonseca/Brasil 247

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

De volta ao Brasil colonial (4)

(Fragmento do artigo de João Sicsú   disponível no site da CartaCapital)"Mais que o governo, o Estado se torna autoritário e violento. Todas as instituições que outrora deveriam constituir uma república democrática se voltam contra os trabalhadores. A Justiça, o governo, o Congresso, as polícias e os grandes meios de comunicação estarão todos a serviço da nova Coroa e contra os trabalhadores. Os cargos de comando nessas instituições são ocupados majoritariamente por integrantes de famílias tradicionais e conservadoras da elite local. E essa elite se desdobra para favorecer a nova Coroa e seus próprios interesses (de poder e patrimoniais).A elite colonizada se revela sem qualquer discrição: rouba, forma quadrilhas, paga e recebe propina, não atende necessidades básicas da população, saqueia o orçamento público e elimina direitos sociais. O Estado democrático, prestador de serviços e garantidor do bem-estar social desaparece. O Estado volta a ser autoritário, violento e perde a fu…