Pular para o conteúdo principal

Governador da PB descarta privatizar Cagepa para receber recurso federal

O governador da Paraíba não atender a uma das exigências do governo federal para liberar auxílio financeiro ao estado: o governador Ricardo Coutinho (PSB) anunciou nesta quarta-feira (4) que não pretende privatizar a Companhia de Águas e Esgoto da Paraíba (Cagepa).

O governador disse que o secretário de recursos hídricos do estado, João Azevedo, deve encaminhar ainda nesta terça-feira uma carta ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com a decisão.

De acordo com Ricardo Coutinho, a empresa registrou um superávit de R$ 200 milhões em 2006 e vai ser responsável pela adutora Transparaíba, que ele considera como a principal obra hídrica de seu governo. A obra deve ser um braço da transposição do Rio São Francisco para levar água para o Curimataú paraibano. Ricardo também informou que deve solicitar o apoio da bancada federal na execução da obra Transparaíba.

Governador nega privatização da Cagepa durante entrevista coletiva
Um projeto de lei apresentado pelo Palácio do Planalto ao Congresso tem como objetivo socorrer estados em crise fiscal traz especificadas no texto as contrapartidas que precisarão ser cumpridas para que os governos regionais possam suspender o pagamento de dívidas com a União. Para ter direito a esse alívio nas contas, porém, o estado será obrigado a cumprir uma série de exigências de ajuste fiscal.

Entre as medidas, os governos devem autorizar a privatização de empresas dos setores financeiro, de energia e de saneamento para quitar dívidas. O projeto, que prevê a suspensão do pagamento das dívidas por até três anos, é uma demanda de estados em dificuldades financeiras.

G1

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja