Pular para o conteúdo principal

Lula: “A cada acusação, fico com mais disposição de brigar”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) garantiu, em entrevista à rádio Metrópole, da Bahia, nesta quinta-feira (13), que está com ainda mais disposição para lutar contra as acusações infundadas contra ele.

Ao falar sobre o conteúdo das delações de executivos da Odebrecht divulgadas terça-feira (11), a partir de decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal e relator da Operação Lava Jato, Edson Fachin, Lula se disse “tranquilo” e informou que começou a preparação para o depoimento que prestará ao juiz Sérgio Moro, no dia 3 de maio.

O ex-presidente disse que está muito tranquilo devido à falta de provas em todas as acusações feitas contra ele. “Eles já estão com a tese pronta e querem apenas encontrar um conteúdo para colocar dentro. Estou muito tranquilo. Dia 3 vai ser uma grande oportunidade para eu ouvir as perguntas e questionamentos do qual sou vítima e para responder a verdade”, disse o ex-presidente.

Ele classificou como irreais e inverossímeis as acusações de Marcelo Odebrecht. “Por mais bobagem que seja, a pessoa tem que provar. Então estou muito tranquilo, porque continuo desafiando qualquer empresário brasileiro a dizer que um dia Lula pediu algum dinheiro. Hoje começo a me preparar para meu depoimento […] No dia que alguém provar algum erro meu, eu paro com a política”, respondeu ao repórter Mario Kertesz.

Lula disse que não tem medo de ser preso, já que para isso é preciso que existam provas, mas mostrou preocupação com algo maior: a continuidade do golpe. Para ele, a pretensão em torno da espetacularização da Operação Lava Jato e a perseguição sofrida por ele tem como pano de fundo uma elite que não quer a continuidade da distribuição de renda e dos programas sociais e busca desmantelar o que foi feito nos governos anteriores.

“Cada acusação dessa mexe com meu brio, minha honra e eu fico com mais disposição de brigar. Não nasci para parar no meio do caminho. Tenho consciência do que fiz nesse país, dos benefícios e fico triste de ver esse país afundando, o povo sofrendo sem emprego e ainda querem destruir a aposentadoria”, disse.

Fundo partidário e reforma politica
Para Lula, a sociedade está sendo induzida ao ódio, mas, apesar do caráter midiático e das ilegalidades promovidas pela Operação Lava Jato, ele comemorou o fortalecimento da Policia Federal, do Ministério Público Federal e a criação, promovida pelos governos do PT , de instrumentos que possibilitaram a prisão de corruptores no Brasil.

“Tudo isso significa que criamos instituições fortes. Tenho orgulho do que fizemos. Não poderiam fazer essas investigações se não fosse o governo do PT, desde a delação premiada até a autonomia do MP e a criação da Controladoria Geral. Jorge Hage e Valdir Pires foram quem criaram mecanismos de investigar a máquina do governo e fazer denúncias”, lembrou.

Por isso, segundo explicou Lula, ele defende também a contribuição pública para o fundo partidário. Para ele, esse seria mais um mecanismo para evitar a promiscuidade na relação entre a política e o empresariado. Ele defendeu uma reforma política profunda e que conte com a participação de toda sociedade.

“Quero ajudar construir um mundo democrático. Fora da política existe o fascismo, o nazismo. Tem que melhorar a classe política e agora, em 2018, isso pode mudar, pode eleger só gente boa, está na mão do povo”. Informações da  Rádio Metrópole da Bahia

As Mais Visitadas

Prefeitos baianos do PMDB, DEM e outras siglas fazem fila de quase uma hora para tirar selfies com Lula

Ontem (19) pela manhã, o petista participou de um evento com mais de 60 prefeitos de cidades do interior baiano. Na plateia havia políticos de partidos como PMDB e DEM, que apoiaram o Senado investigasse a ex-presidente Dilma Rousseff e integram a base do governo Michel Temer. Quem via de longe pensava que as filas próximas ao palco para tirar uma selfie com Lula era da comunidade local, mas eram compostas na realidade por gestores das mais variadas correntes.Apesar das críticas de Lula ao atual presidente Michel Temer, os prefeitos formaram uma fila de quase uma hora para tirar fotos com o petista. Um prefeito do PMDB que pediu para não ter o nome divulgado explicou tanta admiração. Segundo ele, Lula é muito admirado no Nordeste e pode ser um grande cabo eleitoral para 2018.Lula usou um palavrão para criticar a situação econômica do País. "Este País é grande demais. Este País não nasceu para ser a m. que é", disse o ex-presidente que logo em seguida tentou se desculpar. &qu…

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja