Pular para o conteúdo principal

Na Paraíba, professores vão receber salário de R$ 2,6 mil a partir de 1° de maio, anuncia governador


“Nenhum professor da rede estadual (primeiro nível da classe A) vai ganhar menos de R$ 2.611 mil/mês, cujo valor entra em vigência a partir de primeiro de maio”.

O anúncio foi feito pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), através de uma rede de emissoras durante o programa ‘Fala Governador’, nesta segunda-feira (24).

Ainda de acordo com o governador, o aumento, além de alcançar todos os profissionais de educação estadual, beneficia também os prestadores de serviços da área.

Segundo Ricardo Coutinho, desde que ele assumiu o cargo de governador em 2010, os professores da rede estadual tiveram um aumento de 182% superior à inflação, que nos últimos sete anos atingiu uma média de 50%. “Quando assumi o mandato em 2010, um professor recebia um salário de R$ 660,00 mês e uma gratificação de 264, cujo total alcançava R$ 924, em maio deste ano o salário passa para R$ 2.1611”.

A pesar do anúncio, o governador considera que não houve um aumento, mas uma repactuação. “Espero que esse incentivo  se reflita na melhoria da qualidade de ensino”, disse o governador.

Ainda de acordo com Ricardo Coutinho, a tabela com os novos valores, que ainda será encaminhado à Assembleia Legislativa, entre dezembro do ano passado e maio deste ano, houve um aumento de 39,8% para os professores da classe A até 51% da Classe E (professores com doutorado).

A tabela de acordada com representes da categoria, segundo Ricardo Coutinho, também prevê um melhoria entre uma categoria e outra em torno de 10%.
Para o governador, a Educação estadual experimenta hoje melhorias salarias no seu corpo docente. "Não é um discurso vazio. Eles estão melhor do que quando assumi", declarou Ricardo  ao falar de sua obsessão na melhoria da qualidade de ensino e do poder aquisitivo dos professores.

Portal Paraíba

Comentários

As Mais Visitadas

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

De acordo com a CBF o Estádio O Tadeuzão em Sapé/PB é municipal

A Diretoria de Competições da CBF concluiu o Cadastro Nacional de Estádios de Futebol (CNEF) 2016. É um raio-X do cenário brasileiro, que tem 790 locais de disputa catalogados pela entidade.O documento de 97 páginas tem detalhes como a localização, proprietários, capacidade, iluminação e a ficha de cada estrutura. A Região Sudeste tem 260 estádios, sendo 132 municipais, 125 particulares e três estaduais. O Nordeste vem na sequência, com 241. O Sul conta com 144 e o Centro-Oeste com 85. Já a Região Norte tem 60.A maioria dos estádios (59,2%) é administrada pelos governos municipais. Os particulares preenchem a segunda maior fatia: 34,4%. Os estaduais são 5,9% e os federais apenas 0,5%.O cadastro inclui lugares que recebem jogos recreativos, amadores e profissionais em todas as esferas de organização, seja a partida menos expressiva de um campeonato municipal à final do Brasileirão. Por isso, esse relatório tem números curiosos, como os índices de estádios com (64%) e sem (36%) iluminaç…

Super Sam: a crítica social em Chapolin Colorado, em 1973

Além de satirizar os heróis norte-americanos, Chapolin trazia uma grande crítica social da América Latina. Afinal, ele era um herói “sem dinheiro, sem recursos, sem inventos sensacionais, fraco e tonto”, nas palavras do seu próprio criador. Mas por outro lado, mesmo sendo um grande covarde, o Chapolin também é valente por ser capaz de superar seu medo para ajudar a quem precisa.No seriado, a hegemonia dos países industrializados no mundo subdesenvolvido é simbolizada por meio de Super Sam, interpretado por Ramón Valdéz. O personagem é o paradigma do poderio norte-americano: uniforme semelhante ao do Superman, com direito ao famoso símbolo no peito do traje azul, e cartola com as cores da bandeira estadunidense. Como nunca fora chamado para ajudar alguém, suas aparições na série eram fruto da intromissão nas ações do Chapolin. Enquanto o herói mexicano tem sua marreta biônica como arma, o Super Sam carrega consigo "a arma mais poderosa" (um saco de dinheiro) e diz “Time is…