Pular para o conteúdo principal

Diego Souza marca 2, e seleção brasileira goleia a Austrália

Com apenas dois jogadores considerados titulares, a seleção brasileira venceu o amistoso diante da Austrália por 4 a 0, nesta terça-feira (13), no estádio Melbourne Cricket Ground, em Melbourne, na Austrália. Os quatro gols do jogo foram marcados por Diego Souza (2), Thiago Silva e Taison.

Diego Souza foi uma das oito modificações feitas por Tite para o duelo contra a Austrália em relação ao time que perdeu para a Argentina por 1 a 0, na última sexta-feira (9).

As outras novidades foram o goleiro Diego Alves, o lateral direito Rafinha, os zagueiros Rodrigo Caio e David Luiz, que atuou como volante, o lateral esquerdo Alex Sandro, o meia Giuliano e o atacante Douglas Costa. Os únicos jogadores mantidos foram o zagueiro Thiago Silva, o volante Paulinho e o meia-atacante Philippe Coutinho.

Para os dois amistosos em Melbourne, Tite poupou a defesa considerada titular. Ele não chamou o goleiro Alison, o lateral direito Daniel Alves, o lateral esquerdo Marcelo, os zagueiros Marquinhos e Miranda, o volante Casemiro e o atacante Neymar.

Agora, a seleção brasileira volta a campo no dia 31 de agosto, quando enfrenta o Equador em jogo marcado para a Arena do Grêmio. Cinco dias depois, o time enfrenta a Colômbia.

Desde que assumiu o comando da equipe, Tite obteve oito vitórias em jogos oficiais. A equipe ainda venceu os amistosos contra a Colômbia, que reuniu apenas jogadores que atuam no país, e diante da Austrália. A única derrota foi para a Argentina.

Até o final do ano, a seleção brasileira enfrentará a Bolívia e o Chile, além de Equador e Colômbia, pelas eliminatórias sul-americanas, e deverá realizar amistosos contra Inglaterra e França em novembro.

Em março de 2018, o time já tem um adversário definido —enfrenta a Alemanha, em Berlim. Será a primeira vez que os dois times vão se enfrentar desde o 7 a 1 na Copa de 2014.

O JOGO

No duelo desta terça-feira, a seleção brasileira foi beneficiada com o gol feito logo no início do jogo. Aos 10 segundos, Giuliano recuperou uma bola na intermediária e enfiou para Diego Souza chutar cruzado e abrir o placar.

Depois do gol, a equipe comandada por Tite encontrou dificuldades de sair jogando porque a Austrália avançou a marcação. Mesmo assim, o sistema defensivo foi pouco exigido. O goleiro Diego Alves não praticou defesas e se destacou mais pela qualidade de sair jogando com os pés.

Com o decorrer do jogo, o time se acertou em campo. Mesmo com várias modificações, a seleção manteve a estrutura tática. David Luiz atuou como primeiro volante. Giuliano começou aberto pelo lado direito do campo com Paulinho ao seu lado. Philippe Coutinho exerceu a função de armador e Douglas Costa jogou pelo lado esquerdo. O atacante de referência foi Diego Souza, que fez bem a função de pivô. Ele segurava a bola e esperava a aproximação dos meias e laterais.

A equipe até chegou a área adversária em duas oportunidades. Aos 35, Alex Sandro escapou pela esquerda e fez o cruzamento para Diego Souza, que ajeitou para Paulinho concluir para fora. O volante, que estava na marca do pênalti, passou da bola e por isso finalizou errado. No último minuto, Rafinha avançou pela direita e chutou forte para o goleiro Langerak espalmar.

No segundo tempo, as duas seleções voltaram sem alterações. O time de Tite continuou controlando o jogo e conseguiu aumentar. Aos 16 minutos, Philippe Coutinho cobrou escanteio e David Luiz cabeceou no travessão. No rebote, Rodrigo Caio escorou para Thiago Silva ampliar.

Após o segundo gol, as duas equipes fizeram modificações. Tite colocou em campo o zagueiro Jemerson, o volante Fernandinho, os meias Renato Augusto e Rodriguinho e os atacantes Taison e Willian. Aos 29 minutos, após uma jogada bem trabalhada, Taison só tirou do goleiro rival e marcou o terceiro.

O Brasil ainda perdeu chances claras com Willian e Rodriguinho. Nos acréscimos, Willian cobrou escanteio e Diego Souza marcou de cabeça para fechar o placar.

Folha de S.Paulo

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

De volta ao Brasil colonial (4)

(Fragmento do artigo de João Sicsú   disponível no site da CartaCapital)"Mais que o governo, o Estado se torna autoritário e violento. Todas as instituições que outrora deveriam constituir uma república democrática se voltam contra os trabalhadores. A Justiça, o governo, o Congresso, as polícias e os grandes meios de comunicação estarão todos a serviço da nova Coroa e contra os trabalhadores. Os cargos de comando nessas instituições são ocupados majoritariamente por integrantes de famílias tradicionais e conservadoras da elite local. E essa elite se desdobra para favorecer a nova Coroa e seus próprios interesses (de poder e patrimoniais).A elite colonizada se revela sem qualquer discrição: rouba, forma quadrilhas, paga e recebe propina, não atende necessidades básicas da população, saqueia o orçamento público e elimina direitos sociais. O Estado democrático, prestador de serviços e garantidor do bem-estar social desaparece. O Estado volta a ser autoritário, violento e perde a fu…