Pular para o conteúdo principal

Cidade de Caldas Brandão, na Paraíba, paralisada pelo casal Rolim

Revista Páginas - Matéria publicada hoje (7) no site ExpressoPB, exibe o cenário fantasioso criado pela administração pública municipal na pequena cidade de Caldas Brandão, na Paraíba.

O pequeno município do Agreste paraibano é administrado pela prefeita Neuma Rolim que está no seu segundo mandato. Segundo aponta editorial de ExpressoPB, a gestão da prefeita Neuma em Caldas Brandão é de faz de conta. "Lá o governo faz de conta que trabalha e o povo faz de conta que acredita, enquanto a oposição finge que existe".

A matéria também critica a falta de  oposição na cidade. E adianta que os ex-prefeitos Carlinhos e Batista, virtuais opositores, devem embarcar a qualquer momento no governo apático de Neuma Rolim.

Confira à íntegra da matéria:

O ditado popular “melé solto” deveria ser aplicado a gestão da Prefeita Neuma Rolim da cidade de Caldas Brandão, no agreste paraibano. Lá o governo faz de conta que trabalha e o povo faz de conta que acredita, enquanto a oposição finge que existe.

Após conseguir nas urnas o direito de continuar administrando, a prefeita Neuma foi rápida: fez uma varredura nos cargos comissionados e contratados demitindo aliados de primeira hora que trabalharam por sua reeleição sob a justificativa de ajustar as contas do município, apesar de propagandear que as contas públicas sempre estiveram equilibradas.

Agora com seis meses do segundo mandato, o casal Neuma e Saulo, usam uma nova estratégia para iludir a opinião pública: implanta na mídia uma “gestão de faz de conta” e na prática 0 governo encontra-se paralisado, servindo apenas para administrar folha de pagamento de pessoal, que já foi reduzida antes de janeiro começar.

Diante de tudo isso a oposição silencia e assiste apática os fatos de descaso ocorridos na gestão, como é a situação da própria Caldas Brandão que é discriminada em detrimento do distrito do Cajá.

Os ex-prefeitos Carlinhos e Batista parecem não se interessarem mais pela política, ou pela oposição, quem sabe não estejam de malas prontas para embarcaram no governo.

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

De volta ao Brasil colonial (4)

(Fragmento do artigo de João Sicsú   disponível no site da CartaCapital)"Mais que o governo, o Estado se torna autoritário e violento. Todas as instituições que outrora deveriam constituir uma república democrática se voltam contra os trabalhadores. A Justiça, o governo, o Congresso, as polícias e os grandes meios de comunicação estarão todos a serviço da nova Coroa e contra os trabalhadores. Os cargos de comando nessas instituições são ocupados majoritariamente por integrantes de famílias tradicionais e conservadoras da elite local. E essa elite se desdobra para favorecer a nova Coroa e seus próprios interesses (de poder e patrimoniais).A elite colonizada se revela sem qualquer discrição: rouba, forma quadrilhas, paga e recebe propina, não atende necessidades básicas da população, saqueia o orçamento público e elimina direitos sociais. O Estado democrático, prestador de serviços e garantidor do bem-estar social desaparece. O Estado volta a ser autoritário, violento e perde a fu…