Pular para o conteúdo principal

Pesquisa testa Moro, Hulk e Barbosa, mas encontra Lula como candidato ao Planalto com melhor aprovação

Por Luiz Carlos Azenha

A pesquisa Ipsos está em algumas manchetes. É o “Pulso Brasil, junho de 2017”.

O golpista Michel Temer é rejeitado por 93% dos entrevistados. 95% dos brasileiros acreditam que o país está no rumo errado.

Além dos números, importa também como a pesquisa é apresentada.

E a Ipsos não diz, de forma direta, que de todos os políticos testados o ex-presidente Lula tem a maior aprovação dentre os que concorrem ao Planalto em 2018, ainda que de apenas 28%.

João Doria tem 16%, Bolsonaro 15% e Ciro Gomes 12%. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tem 3% de aprovação. Dilma tem 14%, Fernando Henrique Cardoso 12%.

Tiririca bate todos, com 33% — e talvez a inclusão do nome dele na pesquisa tenha relação com o desejo da própria Ipsos de desqualificar os demais por tabela.

Já o ranking da desaprovação dos políticos é o seguinte, sempre segundo a empresa:

Michel Temer 93%

Eduardo Cunha 92%

Aécio Neves 91%

Renan Calheiros 84%

Dilma 82%

Serra 79%

FHC 74%

Alckmin 71%

Lula 68%

Rodrigo Maia 64%

Marina Silva 62%

Doria 52%

Tasso Jereissati 48%

Luciana Genro 47%

Considerando os 32 nomes testados pelo Ipsos, — lista que inclui o que podemos imaginar são os candidatos em potencial da empresa — a maior aprovação é do juiz Sergio Moro (63%), seguido por Luciano Huck (44%)  e Joaquim Barbosa (42%). Em seguida aparecem Tiririca, Carmen Lúcia e Lula.

Curiosamente, os promotores da pesquisa não divulgaram a taxa de rejeição dos três. A rejeição potencial de Moro é de 37%, de Huck 56% e de Barbosa 58%.

Isso é importante: o procurador Deltan Dallagnol, do powerpoint, por exemplo, tem aprovação de 13% e rejeição de 42%, segundo os dados da pesquisa.

Gilmar Mendes tem rejeição de 58%, Henrique Meirelles 57%, Roberto Justus 51% e Rodrigo Janot 49%. A presidente do STF Carmen Lúcia tem rejeição de 39%, mas aprovação de apenas 29%.

Tiririca tem mais aprovação que ela: 33%.

A Ipsos diz que o cenário para as eleições de 2018 será parecido com o de 1989. Ou seja, cabe um Fernando Collor. Talvez seja um caso de wishful thinking, algo que a própria empresa está tratando de promover.

Pulso Brasil – Junho 2017: 95% dizem que país está no rumo errado.

Estudo ainda revela que o juiz Sérgio Moro, o apresentador Luciano Huck e o ex-ministro Joaquim Barbosa são os nomes mais bem avaliados atualmente

Pesquisa Pulso Brasil de junho, realizada pela Ipsos, revela que a operação Lava Jato ganha cada vez mais a adesão dos brasileiros.

Para 96% dos entrevistados as investigações necessitam averiguar todos os partidos políticos e a mesma porcentagem acredita que a operação deve continuar até o fim, custe o que custar.

O estudo ainda assinala que 87% concordam que a operação vai fortalecer a democracia, enquanto 79% acreditam que a Lava Jato pode ajudar a transformar o Brasil num país mais sério.

Além disso, os brasileiros são a favor da operação mesmo que traga mais instabilidade política ou econômica para o país, com 95% e 94%, respectivamente.

O rumo do Brasil

O levantamento da Ipsos aponta que 95% dos entrevistados consideram que o Brasil está no rumo errado, mostrando um acréscimo de dois pontos percentuais em relação ao índice de maio (93%).

A avaliação do governo do presidente Michel Temer também teve uma piora de quatro pontos percentuais comparado ao mês anterior, pois 84% dos brasileiros classificam a gestão Temer como ruim e péssima.

Barômetro Político

A pesquisa analisou a atuação de 32 personalidades públicas e políticos. No ranking “Barômetro Político”, o presidente Michel Temer é o nome mais mal avaliado (93%), seguido por Eduardo Cunha (92%), Aécio Neves (91%) e Renan Calheiros (84%).

Se comparar os números da avaliação dos últimos três ex-presidentes do país, Dilma Rousseff totaliza 82% de rejeição versus 14% de aprovação. Fernando Henrique Cardoso soma 74% de desaprovação contra 12% de aprovação. Já, Luiz Inácio Lula da Silva possui 68% de reprovação e 28% de aprovação.

Considerando os políticos que já disputaram o segundo turno em um pleito presidencial, Aécio Neves é o tucano com maior taxa de rejeição com 91%, alta de 14 pontos percentuais sobre a edição anterior.  O político mineiro é seguido por José Serra, com 79% — aumento de nove pontos em relação a maio —  e por último, Geraldo Alckmin com 71%, o que representa sete pontos a mais comparado ao último mês.

Marina Silva, da REDE, que vinha numa constante queda do índice de rejeição, em junho, apresenta taxa de desaprovação de 62%. Por outro lado, o juiz Sérgio Moro, o apresentador Luciano Huck e o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa são os nomes melhores avaliados com 63%, 44% e 42% de aceitação, respectivamente

Outras personalidades que foram avaliadas quanto ao índice de desaprovação e aprovação são: Rodrigo Maia (64% e 3%, respectivamente); Romero Jucá (64% e 1%, respectivamente); Romário (59% e 14%, respectivamente); Gilmar Mendes (58% e 4%, respectivamente); Henrique Meirelles (57% e 4%, respectivamente); Marcelo Crivella (56% e 9%, respectivamente); Ciro Gomes (55% e 12%, respectivamente); Jair Bolsonaro (54% e 15%, respectivamente); Paulo Skaf (52% e 5%, respectivamente); João Doria (52% e 16%, respectivamente); Roberto Justus (51% e 19%, respectivamente); Rodrigo Janot (49% e 22%, respectivamente); Tasso Jereissati (48% e 5%, respectivamente); Luciana Genro (47% e 3%, respectivamente); Nelson Jobin (46% e 3%, respectivamente); Ayres Brito (44% e 2%, respectivamente); Deltan Dallagnol (42% e 13%, respectivamente) e Cármen Lúcia (39% e 29% respectivamente).

Realizada entre os dias 1 e 13 de junho, a pesquisa Ipsos contou com 1200 entrevistas presenciais em 72 municípios brasileiros. A margem de erro é de 3%.

Comentários

As Mais Visitadas

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Banco do Brasil Quebrado, leia a opinião de Severino Ramos

BANCO DO BRASIL QUEBRADOA título de informação - BB esse é o banco que foi quebrado nos governos Lula e Dilma: O BB tinha, no final de 2015, 63 milhões de clientes, 20% de participação no mercado, 61% de todas as operações de crédito para o agronegócio no Brasil, 21% das operações de crédito do sistema financeiro nacional e R$ 1,4 trilhão de ativos totais. É disparado o maior banco do Brasil. Vamos a História! Em 1995 (governo FHC), o BB tinha 120 mil funcionários, foram demitidos 41 mil. FHC deixou 79 mil. E o PREJUÍZO acumulado do BB foi de 5,4 BILHÕES de Reais. De 2003 a 2015, o BB contratou 31 mil funcionários. E o prejuízo nesse mesmo período foi??? Vou detalhar: com um acréscimo de 31 mil funcionários a mais, o nosso BB quase quebrou! Teve um LUCRO acumulado de 117 BILHÕES de Reais. Desse jeito não tem banco público que aguente! Vale ressaltar que os bancos BB, BNB e CEF são AGÊNCIAS de fomento das políticas públicas. Por tanto, colaboram decisivamente com o desenvolvimento do n…