Pular para o conteúdo principal

Vaiado, goleiro Aranha diz que é "sempre assim" no Sul: "Vejo ódio na cara das pessoas"

Quase três anos depois do episódio de injúria racial, Aranha foi novamente o centro das atenções em uma partida na Arena do Grêmio. Alvo de vaias da maioria dos gremistas durante a derrota da Ponte Preta por 3 a 1, na tarde deste domingo, o goleiro criticou o comportamento da torcida.

- Eles não esquecem aquele episódio. Eles são assim aqui. Principalmente na região do Sul do país,é sempre assim. Quando volto aqui, evito ao máximo olhar para a arquibancada, porque cada vez que olho para arquibancada, vejo ódio na cara das pessoas. Eles têm certeza que eu estou errado. É triste ver o conceito de vida que eles têm aqui - afirmou o camisa 1 da Ponte.

Em meio às provocações, também houve espaço para um gesto de carinho com Aranha. Um pai tricolor entregou ao filho uma faixa para segurar com os dizeres "Aranha, o tempo passa, mas a dor não! Novamente, perdão por tudo! Somos a verdadeira torcida do Grêmio". Ao fim do primeiro tempo, quando a Ponte vencia por 1 a 0, o arqueiro percebeu o recado, virou para os torcedores e fez um sinal de positivo para os fãs.

- Lógico que sempre tem as exceções, mas é triste o conceito que eles têm aqui. A mudança vem das crianças, mas se o pai passa isso para o filho, quando vai melhorar? Nunca! Venho aqui preocupado em jogar, não tenho nada contra o Grêmio. Mas a falta de educação é geral. Às vezes reclamamos do político, mas sempre dá o jeitinho brasileiro, que era engraçado antes. Esse jeitinho está tomando conta do país - disparou Aranha, ampliando as críticas para a sociedade como um todo.

O assunto dominou as perguntas para o goleiro, tanto na saída de campo como na zona mista:

- A coisa que eu menos falei é sobre o futebol. Depois ficam falando que o Aranha só fala disso. Mas eu apenas respondo sobre o que me perguntam. Eu venho para jogar bola, sem a intenção de provocar ninguém.

No dia 24 de agosto de 2014, a torcedora Patrícia Moreira foi flagrada cantando "macaco", na partida vencida pelo Santos diante do Grêmio por 2 a 0, em 28 de agosto de 2014, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, na Arena. Na ocasião, Aranha reclamou com o árbitro Wilton Pereira Sampaio, alegando ter sido vítima de xingamentos por parte da torcida.

Além de Patrícia, outros três torcedores foram acusados pelo caso na Arena. No total, sete pessoas foram identificadas cometendo supostas injúrias contra o goleiro. Os quatro aceitaram em novembro de 2014 a proposta de suspensão condicional do processo.

Na esfera esportiva, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) eliminou o clube da competição por conta do ato de torcedores. Os auditores votaram contra a exclusão e decidiram punir os gaúchos com a perda de pontos, o que acarretou na eliminação da equipe, já que havia perdido a partida de ida para o Santos por 2 a 0, pelas oitavas. (Via GE)

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja