Pular para o conteúdo principal

Em tempo, adorei a boina! Por Gleisi Hoffmann

Entre erros de digitação, falta de cuidado no uso da língua, dos plurais, e uma grande quantidade de informações erradas, a revista “Isto é” número 2487 conta uma história bastante fantasiosa, com o único intuito de me atacar.

A verdade é que eu, enquanto pessoa Gleisi Hoffmann recebo a violência da acusação e pretendo buscar os caminhos cabíveis para questioná-la. Como presidenta, democraticamente eleita, do PT não me surpreendi.

A revista usa de uma narrativa fraudulenta para dizer o óbvio: sim, a “Isto é” e eu estamos em lados políticos opostos. Enquanto apoio a democracia no Brasil e em toda a América Latina, autoritária é a revista “Isto é” que apoiou um golpe de Estado no Brasil que prejudica os trabalhadores e acaba com direitos da população sistematicamente.

A matéria do dia 11, último, tem vários erros de fato; vários de interpretação e um objetivo claro: sustentar uma ideia de corrupção como algo inerente a um partido ou a algumas pessoas. O tom adjetivo da revista não é novo diante da vitalidade que o Partido dos Trabalhadores mostra em termos políticos, e de todas as pesquisas eleitorais que indicam que o povo não acredita mais nestas historietas mal construídas.

Dentre as falhas mais visíveis, que evidenciam o pobre “jornalismo” da publicação, estão o fato de, por exemplo, a senadora não ter feito campanha ao senado em 2014 (como diz a revista) e sim ao governo do Estado do Paraná. Uma mínima pesquisa seria suficiente para evitar este furo de credibilidade. Ademais, NÃO HÁ no mencionado relatório da PF qualquer fato que ligue Paulo Bernardo à minha campanha de 2014. Absolutamente nada.

No intuito unicamente de atacar, a revista mistura inquéritos distintos, conclusões diferentes numa grande sopa de letrinhas. Nem eu, nem Paulo temos qualquer relação com a empresa “Consist” ou com seus donos, como fica claro no próprio inquérito mencionado.

Se a matéria é cheia de erros, também é repleta de má fé. Há uma mistura de informações, por si só falsas, entre as campanhas de 2008, 2010 e 2014. É evidente que o interesse da revista não é informar, não é questionar ou buscar de mim quaisquer respostas. Sequer fui procurada pela revista anteriormente. O objetivo é tão somente difamar.

Tal fato fica claro quando se percebe que se retirarmos os adjetivos, o tamanho do texto cai quase pela metade. Sim, metade do espaço e do tempo do leitor foi desperdiçado com adjetivos ofensivos e fotos descontextualizadas.  O bom jornalismo da “Isto é”, parece ter ficado num passado distante.

É possível tirar duas lições importantes do evento. A primeira, é evidenciar, mais uma vez, que a publicação faz mais política do que jornalismo. A segunda, é a demonstração de que a revista se encontra politicamente em oposição à democracia no Brasil e na América Latina; em oposição às lutas populares e, por isso, em oposição à minha postura histórica. É preciso dizer ao povo que não há vergonha alguma em levantar bandeiras e usar cores que signifiquem um objetivo ético de luta. Isto, caso a revista não saiba, chama-se democracia.

Senadora Glesi Hoffmann

As Mais Visitadas

Prefeitos baianos do PMDB, DEM e outras siglas fazem fila de quase uma hora para tirar selfies com Lula

Ontem (19) pela manhã, o petista participou de um evento com mais de 60 prefeitos de cidades do interior baiano. Na plateia havia políticos de partidos como PMDB e DEM, que apoiaram o Senado investigasse a ex-presidente Dilma Rousseff e integram a base do governo Michel Temer. Quem via de longe pensava que as filas próximas ao palco para tirar uma selfie com Lula era da comunidade local, mas eram compostas na realidade por gestores das mais variadas correntes.Apesar das críticas de Lula ao atual presidente Michel Temer, os prefeitos formaram uma fila de quase uma hora para tirar fotos com o petista. Um prefeito do PMDB que pediu para não ter o nome divulgado explicou tanta admiração. Segundo ele, Lula é muito admirado no Nordeste e pode ser um grande cabo eleitoral para 2018.Lula usou um palavrão para criticar a situação econômica do País. "Este País é grande demais. Este País não nasceu para ser a m. que é", disse o ex-presidente que logo em seguida tentou se desculpar. &qu…

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja