Pular para o conteúdo principal

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.

Foto 1: Alunos da cidade de Mari.

Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema.

Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.

Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade.

Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema.

"Risco de quedas e de se machucarem, sem contar com o cansado da maioria que trabalha o dia todo e ainda tem que  se submeter a esse tipo de descaso".

O Revista Páginas foi buscar informações:

Realmente o município não é obrigado a subsidiar o transporte escolar para o ensino superior, uma vez que, constitucionalmente, sua obrigação é a educação básica do 1° ao 5° ano (séries iniciais). No entanto, sabemos que essa é uma realidade Brasileira, muitos alunos se deslocam a cidades próximas pra frequentar curso superior. Neste caso, o bom senso deve prevalescer e a forma legal deve ser observada para que o município possa subsidiar esse transporte. Marcar audiência com o Prefeito seria uma boa opção, demonstrando a ele o retorno futuro que isso trás ao municipio. Porém esta conversa deve ser amigável, sem animosidades.

Vale destacar que o repasse desse subsídio deve ser baseado em lei local. Outra forma seria a criação de uma associação de estudantes, e através de lei o Município pode repassar uma subvenção.



                   Foto: cidade de Mari 

                   Foto: Cidade de Sapé 

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Sabonete com logomarca da IURD viraliza na internet, pelo alto valor cobrado aos fiéis

Tem circulado nas principais redes sociais, uma foto que tem gerado uma polêmica muito forte entre os internautas, trata-se de uma foto de um sabonete com a logomarca da Igreja Universal do Reino de Deus, que supostamente é vendido pelo valor de 120 Reais.
O valor, digamos, elevado para um sabonete, tem gerado uma discussão, nada comum. Os internautas, tem expressado em seus comentários nas redes sociais, um tom de revolta e indignação contra a Igreja Universal do Reino de Deus, devido ao alto valor cobrado aos fiéis. O suposto e "caro" sabonete, faz parte de uma série de itens vendidos ao longo da história pela IURD - Igreja Universal do Reino de Deus, que tem como líder e fundador o Bispo Edir Macedo.
A foto do sabonete virou uma espécie de piada, devido ao alto valor cobrado, e também devido ao péssimo momento econômico vivenciado pelo país. Aldoberg Silva
Foto: Facebook

Cruzeiro E C de Mari-PB, o mais querido do brejo.

O saudoso Cruzeiro Esporte Clube de Mari-PB, uma equipe de futebol amadora, que figurou no cenário do esporte paraibano nas décadas de 70, 80 e começo de 90.
Mesmo não fazendo atuações no campeonato da elite do estado, a simpatica equipe de Mari sempre orgulhou os filhos da terra, sagrando-se campeão da Copa Matutão, em 1980-(espécie de segunda divisão do paraibano de hoje).
Devido a essa alegria, a forte equipe ganhou o apelido de "O mais querido do brejo". O Cruzeiro de Mari, foi um adversário á altura para as principais equipes do futebol paraibano, enfrentando; Treze, Campinense, Botafogo, Guarabira e o também extinto Confiança de Sapé. Possível escalacão de uma das fotos, em pé: Guri, Adroaldo, Nozinho, Lula, Mison, Alcídes, agachados: Bibiu, Ribeiro, Nêgo, Romeu e Gordo. FONTES: Federação Paraibana de Futebol CRÉDITO: Aldoberg Ivanildo da Silva