Pular para o conteúdo principal

Mari-PB do século XXI

Desde a fundação de Mari, antiga Araça, data de 1875, com a construção da rede ferroviária a mando do Imperador Dom Pedro II, entendia-se que o progresso era questão de tempo.
Depois de sua emanicipação política, o município viveu outros ares, e sua economia girando em torno principalmente da agricultura, pois o progresso estava se confirmando nas décadas de 60,70 e 80. Na década de 90 Mari, acompanhou o momento do país, que vivia o impeachment de Collor e em seguida o plano real de FHC.
No século XXI, Mari começa viver um verdadeiro drama em sua história, o fechamento do hospital Santa Cecilia. Desde o fechamento da maior unidade médica da cidade, não se têm mais registro de mariense nascidos na cidade.
Outro fato que retrata bem o momento, é a inércia do poder público, levando a um clima de " Deus nos acudas" com falta de serviço público, que inclusive são garantidos por lei aos cidadãos.
"Ponto firme da atual gestão, construção de um hospital de pequeno porte, pavimentação de vias,  esses foram os principais investimentos que minimizam os problemas de parte da população".
"Ponto negativo da atual gestão, é a saúde que mesmo com os repasses do SUS, não consegue oferecer um serviço eficiênte".
Nos últimos anos Mari, perdeu o rótulo de cidade tranquila, onde todos gostariam de envelhecer, sua violência tomou conta dos quatro cantos da cidade, com assassinatos á luz do dia e, crimes sem respostas, o medo espalhou-se por cada esquina antes povoadas.
Mari hoje está sem ordem e, sem ordem não há progresso, mas o que fazer? Parece não existir uma solução para isso. A população mariense parece viver dentro de um sistema que não se importa com o rumo que as coisas tomam; os dominantes mandam e os dominados obedecem o que lhe propõe. Dominantes inoperante e dominados sem saída, esta talvez seja a única proposta para cidade neste século.

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Super Sam: a crítica social em Chapolin Colorado, em 1973

Além de satirizar os heróis norte-americanos, Chapolin trazia uma grande crítica social da América Latina. Afinal, ele era um herói “sem dinheiro, sem recursos, sem inventos sensacionais, fraco e tonto”, nas palavras do seu próprio criador. Mas por outro lado, mesmo sendo um grande covarde, o Chapolin também é valente por ser capaz de superar seu medo para ajudar a quem precisa.No seriado, a hegemonia dos países industrializados no mundo subdesenvolvido é simbolizada por meio de Super Sam, interpretado por Ramón Valdéz. O personagem é o paradigma do poderio norte-americano: uniforme semelhante ao do Superman, com direito ao famoso símbolo no peito do traje azul, e cartola com as cores da bandeira estadunidense. Como nunca fora chamado para ajudar alguém, suas aparições na série eram fruto da intromissão nas ações do Chapolin. Enquanto o herói mexicano tem sua marreta biônica como arma, o Super Sam carrega consigo "a arma mais poderosa" (um saco de dinheiro) e diz “Time is…