Pular para o conteúdo principal

Mari-PB do século XXI

Desde a fundação de Mari, antiga Araça, data de 1875, com a construção da rede ferroviária a mando do Imperador Dom Pedro II, entendia-se que o progresso era questão de tempo.
Depois de sua emanicipação política, o município viveu outros ares, e sua economia girando em torno principalmente da agricultura, pois o progresso estava se confirmando nas décadas de 60,70 e 80. Na década de 90 Mari, acompanhou o momento do país, que vivia o impeachment de Collor e em seguida o plano real de FHC.
No século XXI, Mari começa viver um verdadeiro drama em sua história, o fechamento do hospital Santa Cecilia. Desde o fechamento da maior unidade médica da cidade, não se têm mais registro de mariense nascidos na cidade.
Outro fato que retrata bem o momento, é a inércia do poder público, levando a um clima de " Deus nos acudas" com falta de serviço público, que inclusive são garantidos por lei aos cidadãos.
"Ponto firme da atual gestão, construção de um hospital de pequeno porte, pavimentação de vias,  esses foram os principais investimentos que minimizam os problemas de parte da população".
"Ponto negativo da atual gestão, é a saúde que mesmo com os repasses do SUS, não consegue oferecer um serviço eficiênte".
Nos últimos anos Mari, perdeu o rótulo de cidade tranquila, onde todos gostariam de envelhecer, sua violência tomou conta dos quatro cantos da cidade, com assassinatos á luz do dia e, crimes sem respostas, o medo espalhou-se por cada esquina antes povoadas.
Mari hoje está sem ordem e, sem ordem não há progresso, mas o que fazer? Parece não existir uma solução para isso. A população mariense parece viver dentro de um sistema que não se importa com o rumo que as coisas tomam; os dominantes mandam e os dominados obedecem o que lhe propõe. Dominantes inoperante e dominados sem saída, esta talvez seja a única proposta para cidade neste século.

As Mais Visitadas

Prefeitos baianos do PMDB, DEM e outras siglas fazem fila de quase uma hora para tirar selfies com Lula

Ontem (19) pela manhã, o petista participou de um evento com mais de 60 prefeitos de cidades do interior baiano. Na plateia havia políticos de partidos como PMDB e DEM, que apoiaram o Senado investigasse a ex-presidente Dilma Rousseff e integram a base do governo Michel Temer. Quem via de longe pensava que as filas próximas ao palco para tirar uma selfie com Lula era da comunidade local, mas eram compostas na realidade por gestores das mais variadas correntes.Apesar das críticas de Lula ao atual presidente Michel Temer, os prefeitos formaram uma fila de quase uma hora para tirar fotos com o petista. Um prefeito do PMDB que pediu para não ter o nome divulgado explicou tanta admiração. Segundo ele, Lula é muito admirado no Nordeste e pode ser um grande cabo eleitoral para 2018.Lula usou um palavrão para criticar a situação econômica do País. "Este País é grande demais. Este País não nasceu para ser a m. que é", disse o ex-presidente que logo em seguida tentou se desculpar. &qu…

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…