Pular para o conteúdo principal

Dudu Paraíba, fala com exclusividade ao Revista Páginas

(Carlos Eduardo de Souza Tomé, conhecido como Dudu Paraíba, é um futebolista brasileiro que atua como lateral-esquerdo.)

Revista Páginas- Primeiramente, muito obrigado pela oportunidade de te entrevistar.

-Dudu Paraíba - Eu que agradeço, meu amigo Aldoberg, para mim sempre será um prazer...

Revista Páginas- Você se recorda bem, da partida entre Botafogo-PB e Vitória, pela copa do Nordeste, onde você foi apresentado ao "mundo do futebol"?

-Dudu Paraíba - Lembro muito bem, não poderia esquecer um jogo como esse! Foi uma partida disputada pela copa do Nordeste, no estádio Almeidão, na época eu com apenas 16 anos de idade. Infelizmente perdemos à partida, mas para mim, uma experiência que levarei pelo resto da minha vida, pois meu primeiro jogo televisionado, jogando contra uma equipe, que era o Vitória, que contava com jogadores, como; o colombiano Aristzabal, Allan Delon, o goleiro Jean, entre outros... Nessa época eu contava com o apoio e a confiança de grandes profissionais, como; Toninho Barroso(treinador), o ex-meia do Flamengo-RJ Nélio, o atacante Mala, essa confiança me ajudou bastante.

Revista Páginas- No Brasil, você defendeu importantes equipes, mas sua carreira tomou força, mesmo na Europa. Como foi à adaptação na Polônia?

-Dudu Paraíba- Eu sai do Botafogo-PB, muito cedo, tinha na época 17 anos, foi muito difícil para mim, pois deixava minha família, meus amigos, minha cidade! Sem dúvida isso para um adolescente é muito difícil! Mas o sonho e a vontade de ser um jogador, e de ajudar minha família, era maior. Fui comprado pelo Vitória, passei 4 anos nessa equipe, foi ai que tive uma base para que as coisas acontecesse. Tive uma pequena passagem pelo Remo e Avaí, e daí seguie para Europa, o pequeno problema para adaptação aqui, foi o frio, mas nada que fosse maior que à vontade de vencer. Hoje tenho a Polônia, como meu segundo país. Um país de uma beleza exuberante, de uma simpatia enorme.

Revista Páginas- Além do seu talento no futebol, você chama atenção por sua humildade, em suas idas à Mari(terra natal), você cumprimemta cada um, inclusive pelo nome, e muita vezes por algum acontecimento curioso, que se recorde. Como você, enxerga toda admiração do povo Mariense por você?

-Dudu Paraíba- Falar de Mari é fácil para mim, pois a cidade onde nasci e me criei. Meus amigos de infância ainda vivem em Mari. Fico miito feliz quando chego de férias em Mari, a reciptivade, o carinho das pessoas para comigo, e procuro retribuir da melhor maneira possível.

Revista Páginas- Sei que é muito cedo para esta pergunta, por você estar super bem, no futebol da Polônia, mas pensa em voltar ao futebol Brasileiro?

-Dudu Paraíba- Hoje o futebol da Europa me encanta, hoje vejo a Europa bem mais evoluída, mais preparada e mais estruturada em questão de treinamentos, condição de vida, entre outros. Um dos reflexos foi a copa do mundo, que o Brasil, passou uma vergonha enorme, o futebol brasileiro, hoje passa por muitos problemas, não pelo quesito de qualidade de jogadores, e sim problemas como; a corrupção, muita "máfia", muita roubalheira! E quem paga o pato são os jogadores, tenho muitos amigos em grandes clubes, e que à vontade deles, também é de sair do Brasil, por essas coisas, eu particularmente não penso em voltar ao Brasil tão cedo.

Revista Páginas- Em Mari, o Mescias faz um ótimo trabalho através de sua escolinha, servindo de vitrine, e educando boa parte dos jovens, que tem você como referência. O que você tem á dizer aos jovens, que sonham com uma carreira no futebol?

-Dudu Paraíba- Eu conheço o trabalho de Mescias, é uma escolinha que procura lhe dá uma oportunidade de vencer na vida pelo futebol, Mescias, não só estimula os jovens para o futebol, e sim para se tornarem cidadãos de bem. Eu posso lhe dizer com toda certeza, que em Mari, tem um celeiro de craques, e em breve! Veremos muitos em grandes clubes. Os jovens que tem o sonho de se tornarem jogadores, primeiro passo é acreditar que um sonho é possível, e em segundo a vontade e o querer, não esperar que caia do céu, e sim correr atrás do seu sonho, a caminhada é árdua, mas o prazer de olhar para traz e dizer, foi difícil mas valeu apena, se dedicar ao máximo aos treinamentos, a educação e o respeito com o próximo, e os estudos também são pontos fundamentais na carreira de cada jogador.

Revista Páginas- Novamente muito obrigado pelo bate-papo. O que falar aos amigos MARIENSES?

-Dudu Paraíba- Foi um prazer Aldoberg! Mando um abração à todos MARIENSES, que Deus possa abençoar à todos.
MARI TERRA AMADA.
GRANDE ABRAÇO!
Dudu Paraíba

Entrevista realizada via E-mail.

As Mais Visitadas

Prefeitos baianos do PMDB, DEM e outras siglas fazem fila de quase uma hora para tirar selfies com Lula

Ontem (19) pela manhã, o petista participou de um evento com mais de 60 prefeitos de cidades do interior baiano. Na plateia havia políticos de partidos como PMDB e DEM, que apoiaram o Senado investigasse a ex-presidente Dilma Rousseff e integram a base do governo Michel Temer. Quem via de longe pensava que as filas próximas ao palco para tirar uma selfie com Lula era da comunidade local, mas eram compostas na realidade por gestores das mais variadas correntes.Apesar das críticas de Lula ao atual presidente Michel Temer, os prefeitos formaram uma fila de quase uma hora para tirar fotos com o petista. Um prefeito do PMDB que pediu para não ter o nome divulgado explicou tanta admiração. Segundo ele, Lula é muito admirado no Nordeste e pode ser um grande cabo eleitoral para 2018.Lula usou um palavrão para criticar a situação econômica do País. "Este País é grande demais. Este País não nasceu para ser a m. que é", disse o ex-presidente que logo em seguida tentou se desculpar. &qu…

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…