Pular para o conteúdo principal

Mari/PB: Na semana de comemorações dos 57 anos de emancipação, um resumo da história política e cultural

Resumo da história política e cultural nos 57 anos de emancipação política da cidade de Mari/PB.

1958-1968

Em 19 de Setembro de 1958, o governador da Paraíba, Pedro Moreno Gondim, eleva a categoria de cidade pelo decreto de lei n 1862/1958.
Posteriormente o senhor Epitácio Dantas, foi nomeado como primeiro prefeito. Assumindo a responsabilidade de organizar o município. Ficando no cargo por um ano.
Em 1959, Pedro Leite vence a eleição pelo partido UDN.
Na década de 60, assume o comando do município Pedro Tomé de Arruda. Sendo responsável pelo progresso no município. Criando uma mega estrutura para época, construindo; matadouro, estádio de futebol, escola, posto de saúde e o mais importante o início da construção do Hospital Santa Cecília.
Neste período o município vivenciou a pior tragédia de sua história. Denominada de "A Tragédia de Mari". Segundo historiadores a luta camponesa de 15 de Janeiro de 1963, reuniu trabalhadores rurais, Polícia e milícia.
A cidade ainda vivenciou nesta época uma peste, que assolou a população. Uma doença de erupções cutâneas, seguida de prurido, febre e fraqueza, que dizimou boa parte da população. Que buscou na fé a cura, apelando para São Sebastião, que com o tempo foi confundido como padroeiro.
Em 1968, José de Melo foi eleito prefeito, encerrando o momento conturbado do jovem município.

1968-1978

A década de 70, mas precisamente no ano de 1972, Eudes Arruda venceu às eleições para prefeito pelo partido MDB. Eudes teve como marco a inauguração da maternidade da cidade.
Em 1976, José Paulo de França assume à prefeitura, e eleva a bandeira da educação. Paulo, que da nome a principal instituição de ensino e Câmara legislativa da cidade. Na sua administração construiu o Colégio "Nazareno" e o que leva seu nome.

1978-1988

Em 1982, Dr. Adnaldo Pontes (gordo), advogado, foi eleito prefeito. O Dr. Adnaldo teve um destaque na sua gestão transformando a cidade em um canteiro de obras. Como prefeito inovou, e ao longo de sua administração teve um bom  equilíbrio.

1988-1998

Esta época marca a volta no ano de 1988 de José de Melo ao comando do município, com o peso de já ter cido prefeito. Zé de Melo neste período projetou o bairro Chico Faustino.
Em 1992, assume Manoel Monteiro, que teve uma gestão modesta. Uma administração sem grandes realizações.
Em 1996, uma mulher assume o comando do município. Vera Pontes esposa do ex-prefeito Adnaldo Pontes.
A prefeita teve um governo desastroso no campo administrativo. Vera sofreu um verdadeiro bombardeio de uma oposição impiedosa na época. Isso tudo impediu a sua reeleição.
Em 1998, é criada a rádio comunitária Araçá fm. Um avanço na comunicação da cidade e uma referência nos dias atuais.

1998-2008

Após perder às eleições de 1996, quando disputou como vice na chapa de Sérgio Melo. O jovem Marcos Martins, filho do sindicalista e vereador José Martins, despontava como o principal nome da oposição e da política mariense.
Em 2000, se iniciava um novo século e com ele começava a era Martins. O jovem prefeito recebia o desafio de modificar o momento de caos herdado da gestão passada.
Marcos Martins, resistiu aos desafios e colocou o pagamento dos funcionários em dia, mantendo o controle. Estava começando "um marco de trabalho".
Reeleito, seu segundo mandato lhe deu espaço para pensar. E vieram construções, reformas, e o controle das finanças mantendo seu governo estável.

2008-2015

Em 2008, surgiu um novo líder Antônio Gomes. Que com o apoio de Marcos Martins se tornou prefeito. O homem do campo, assumia o desafio de dar continuidade a gestão de Martins. Porém em pouco mais de dois anos no comando, aconteceu um "racha" entre esta união. Marcos Martins perdia espaço na administração e dava lugar para um velho conhecido da política, o ex-prefeito Adnaldo Pontes.
Escanteado Marcos Martins, montou um verdadeiro "exército" e se tornou oposição ao governo de Gomes.
Com o novo cenário pronto; Antônio x Marcos a cidade vivenciou a mais disputada eleição de sua história.
A população nestes intervalos sofria com o fechamento do Hospital Santa Cecília.
Em 2012, Martins volta ao cargo pela terceira vez. Se tornando o prefeito até os dias atuais como o que estar à mais tempo no comando da cidade Mari/PB.

Aldoberg Silva/16-09-2015
Fonte: Fábio Morzart
Foto: Google

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

De volta ao Brasil colonial (4)

(Fragmento do artigo de João Sicsú   disponível no site da CartaCapital)"Mais que o governo, o Estado se torna autoritário e violento. Todas as instituições que outrora deveriam constituir uma república democrática se voltam contra os trabalhadores. A Justiça, o governo, o Congresso, as polícias e os grandes meios de comunicação estarão todos a serviço da nova Coroa e contra os trabalhadores. Os cargos de comando nessas instituições são ocupados majoritariamente por integrantes de famílias tradicionais e conservadoras da elite local. E essa elite se desdobra para favorecer a nova Coroa e seus próprios interesses (de poder e patrimoniais).A elite colonizada se revela sem qualquer discrição: rouba, forma quadrilhas, paga e recebe propina, não atende necessidades básicas da população, saqueia o orçamento público e elimina direitos sociais. O Estado democrático, prestador de serviços e garantidor do bem-estar social desaparece. O Estado volta a ser autoritário, violento e perde a fu…