Pular para o conteúdo principal

Jogador paraibano Fábio Bilica é preso mais uma vez acusado de não pagar pensão alimentícia


O jogador paraibano Fábio Bilica, ex-seleção brasileira, foi preso na manhã deste domingo (20) em Araçagi (PB), Região do Brejo paraibano, acusado de não pagar pensão alimentícia no valor de R$ 16.000,00 (Dezesseis mil reais). Em, julho de 2013 o jogador foi acusado de estuprar uma adolescente de 15 anos, dentro de um carro, no aeroporto internacional de Recife, o que foi negado pelo advogado do atleta, e que a relação teria ocorrido com o consentimento da garota. No ano 2000, quando jogava no futebol italiano Fábio foi preso acusado de corrupção de menores, e em 2009 voltou a ser preso no aeroporto de Recife, também acusado de não pagar pensão alimentícia.

Bilica foi preso por agentes da polícia civil que deram cumprimento a um mandado de prisão em aberto expedido pela 7ª vara de família de João Pessoa.

O jogador estava participando de um jogo com amigos em Araçagi e logo após a partida foi conduzido à Central de Polícia de Guarabira e entregue a equipe plantonista. O jogador só será solto após o pagamento do valor devido de R$ 16 mil , em processo de pensão alimentícia, em atraso. Se o pagamento não for realizado, ele pode ser encaminhado a um presidio da Capital.

Um pouco da história de Fábio Bilica

Das divisões da base do Vitória foi negociado com ainda 18 anos para o Venezia em 1998. Só foi tornar-se conhecido em seu país, entretanto, quando o então técnico da Seleção Brasileira, Vanderlei Luxemburgo, convocou-o em 1999 para o torneio pré-olímpico.[1]

Para estar nas Olimpíadas de Sydney, o beque teve de lutar contra o clube, que não queria liberá-lo.[1] O esforço acabou não premiado: o Brasil caiu nas quartas-de-final para Camarões e Bilica afundaria com a maior parte do time, não recebendo mais chances na Seleção.

Ainda no Venezia, ficaria mais conhecido também na Itália dois anos depois por um momento ruim: em um jogo contra o Brescia, provocou a lesão no joelho de Roberto Baggio que impediu a estrela, que tinha chances reais de ir à Copa do Mundo de 2002, figurar no torneio.[1] Naquele verão europeu, Bilica trocaria o Venezia pelo Palermo e, em 2003, passaria pelo próprio Brescia, onde tornou-se colega de clube de Baggio, já tendo feito as pazes com o astro.[1] Ainda em 2003, iria para o Ancona.

Após seis anos fazendo o pé de meia no futebol italiano, em 2004 o zagueiro retornou ao futebol brasileiro, para jogar no Grêmio, após não conseguir acertar com Fluminense e Goiás.[1] Sua passagem no Tricolor acabou ficando pessimamente marcada: o time terminou o ano rebaixado novamente para a Série B do Brasileirão.

Depois de seu curto retorno ao Brasil, Bilica retornou à Europa, passando por clubes pequenos e sem se destacar. Chegou ao Fenerbahçe em 2009.

Da Redação
Via: PB 24Horas

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

De volta ao Brasil colonial (4)

(Fragmento do artigo de João Sicsú   disponível no site da CartaCapital)"Mais que o governo, o Estado se torna autoritário e violento. Todas as instituições que outrora deveriam constituir uma república democrática se voltam contra os trabalhadores. A Justiça, o governo, o Congresso, as polícias e os grandes meios de comunicação estarão todos a serviço da nova Coroa e contra os trabalhadores. Os cargos de comando nessas instituições são ocupados majoritariamente por integrantes de famílias tradicionais e conservadoras da elite local. E essa elite se desdobra para favorecer a nova Coroa e seus próprios interesses (de poder e patrimoniais).A elite colonizada se revela sem qualquer discrição: rouba, forma quadrilhas, paga e recebe propina, não atende necessidades básicas da população, saqueia o orçamento público e elimina direitos sociais. O Estado democrático, prestador de serviços e garantidor do bem-estar social desaparece. O Estado volta a ser autoritário, violento e perde a fu…