Pular para o conteúdo principal

Ricardo e Dilma garantem R$ 35 milhões para sistemas de abastecimentos de água na Paraíba


A assinatura aconteceu durante a solenidade de entrega da segunda Estação de Bombeamento (EBV-2) do Eixo Leste, no município de Floresta, em Pernambuco.

Ricardo e Dilma garantem R$ 35 milhões para a Paraíba

O governador Ricardo Coutinho e a presidente Dilma Rousseff assinaram, nesta terça-feira (22), o termo de compromisso para a construção de sistemas de abastecimentos de água que vão beneficiar comunidades rurais que vivem às margens dos canais do Projeto São Francisco em cinco cidades paraibanas. A assinatura aconteceu durante a solenidade de entrega da segunda Estação de Bombeamento (EBV-2) do Eixo Leste, no município de Floresta, em Pernambuco.

De acordo com o termo, serão destinados R$ 35,71 milhões para a Paraíba, com o objetivo de beneficiar 12,2 mil habitantes em 32 comunidades rurais localizadas nos municípios de Monte Horebe, Cachoeira dos Índios, São José de Piranhas, Cajazeiras e Monteiro. O termo de compromisso com o Governo da Paraíba é celebrado por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura, Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia.

O governador Ricardo Coutinho avalia que o termo de compromisso vai ter um impacto positivo para mais de 12 mil paraibanos de áreas rurais. “Na verdade, essa é uma das condicionantes no licenciamento da transposição para que a água atenda prioritariamente as comunidades que estão situadas ao longo do canal que está sendo implantado”, destacou.

Ricardo disse ainda que cada etapa da transposição que é inaugurada representa muito e a expectativa é que sejam inauguradas todas as seis estações de bombeamento para que efetivamente as águas cheguem até a Paraíba através de Monteiro.

O governador também aproveitou o encontro com a presidente Dilma Rousseff para entregar pleitos do Governo da Paraíba para que as obras hídricas tenham recursos assegurados com intuito de garantir o cronograma. São seis planos de trabalho visando o enfrentamento da estiagem, incluindo mais carros-pipa e implantação de estações de tratamento d’água. Ricardo também convidou a presidente para participar da inauguração da barragem Pitombeira, da adutora Aroeiras-Gado Bravo e da adutora de Pocinhos, em breve.

O secretário de Estado da Infraestrutura, Recursos Hídricos, do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia, João Azevedo, destacou que é fundamental que esses pleitos sejam atendidos. O secretário executivo dos Recursos Hídricos, Deusdete Queiroga, e o diretor de Obras do DER, Hélio Cunha Lima, acompanharam o governador na solenidade, além do deputado estadual Jeová Campos.

A presidente Dilma Rousseff afirmou que os nordestinos podem ficar tranquilos porque, em 2016, as obras da integração das águas do Rio São Francisco se manterão em ritmo. “Essas obras não vão sofrer atraso. A cada dia que passa, a água que é fundamental vai avançar pelos canais e transformar para sempre a vida e a paisagem do semiárido nordestino, de Pernambuco, da Paraíba, do Ceará”, adiantou a presidente.

“Em 2016, o meu compromisso é vencer a crise, continuar garantindo trabalho, emprego de qualidade e renda para a população brasileira”, reforçou Dilma.

Além da Paraíba, os documentos foram assinados entre o Ministério da Integração Nacional e os governos estaduais de Pernambuco e Ceará e a Secretaria Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde (Sesai). O objetivo da parceria é a implantação, operação e manutenção de sistemas de abastecimento. O total de recursos federais destinados para a implantação, operação e manutenção de sistemas de abastecimento é de R$ 285 milhões.

Projeto São Francisco - A integração do Rio São Francisco vai garantir a segurança hídrica de 12 milhões de nordestinos em 390 municípios nos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O projeto é composto por 477 quilômetros de extensão, organizados em dois eixos de transferência de água: Norte, com 260 quilômetros, e o Leste, com 217.

A obra atingiu 81,8% de execução física, sendo 83,1% no Eixo Norte e 79,8% no Eixo Leste, no último mês de novembro. As obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco são concluídas por etapas. O Governo Federal já acionou as primeiras estações de cada eixo (Norte e Leste) do São Francisco. O restante das obras deve ser entregue até dezembro de 2016 e início de 2017.

Estação de Bombeamento - Na visita ao estado de Pernambuco, a presidente Dilma Rousseff fez a entrega da segunda Estação de Bombeamento (EBV-2) do Eixo Leste, no município de Floresta. A EBV-2 possui dois conjuntos de motobombas instalados, com potência de 7,4 megawatts e vazão de 14 m³/segundo. A EBV-2 elevará a água do rio em mais 43,1 metros, altura que pode ser comparada a um edifício de 14 andares. Cada equipamento (bomba) pesa 85 toneladas, o equivalente a 85 veículos pequenos. O investimento federal nessa etapa é de aproximadamente R$ 100 milhões.

A água do Rio São Francisco já percorreu 17,1 quilômetros no Eixo Leste, passando por um aqueduto e o reservatório Areias até a EBV-2. Com o acionamento das novas bombas, a água percorrerá, por gravidade, mais 2,6 quilômetros para encher o reservatório Braúnas, seguindo por mais 12,7 quilômetros até o reservatório Mandantes. Um total de 32,4 quilômetros de obras concluídas. Os dois reservatórios têm capacidade para acumular até 18 milhões de m³. Quando estiverem cheios, a água do São Francisco vai seguir por mais 3,2 quilômetros de canal até a terceira Estação de Bombeamento (EBV-3), perfazendo um total de 35,6 quilômetros percorridos. A previsão é entregar a terceira estação no início do próximo ano.

As estações de bombeamento são responsáveis por impulsionar a água de um terreno mais baixo para outro mais alto. Ao todo, o Eixo Leste tem seis estações distribuídas nos 217 quilômetros de comprimento do eixo, que elevarão a água do rio em mais de 300 metros acima do nível normal. O Eixo Leste apresenta 79,8% de avanço físico e conta com 3.461 trabalhadores. O eixo abrange a construção de 12 reservatórios, cinco aquedutos, um túnel, canais, além das seis estações de bombeamento. A primeira estação foi entregue em outubro de 2014. 

Da Redação
Via: Secom

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

De volta ao Brasil colonial (4)

(Fragmento do artigo de João Sicsú   disponível no site da CartaCapital)"Mais que o governo, o Estado se torna autoritário e violento. Todas as instituições que outrora deveriam constituir uma república democrática se voltam contra os trabalhadores. A Justiça, o governo, o Congresso, as polícias e os grandes meios de comunicação estarão todos a serviço da nova Coroa e contra os trabalhadores. Os cargos de comando nessas instituições são ocupados majoritariamente por integrantes de famílias tradicionais e conservadoras da elite local. E essa elite se desdobra para favorecer a nova Coroa e seus próprios interesses (de poder e patrimoniais).A elite colonizada se revela sem qualquer discrição: rouba, forma quadrilhas, paga e recebe propina, não atende necessidades básicas da população, saqueia o orçamento público e elimina direitos sociais. O Estado democrático, prestador de serviços e garantidor do bem-estar social desaparece. O Estado volta a ser autoritário, violento e perde a fu…