Pular para o conteúdo principal

Morre Alexandra Szafir, 50, símbolo da luta contra doença degenerativa

Uma das vozes mais atuantes no Brasil na defesa das pessoas com ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica), a advogada Alexandra Szafir, 50, morreu por volta das 23h desta quinta-feira (3).

Ela tinha sido internada na quarta-feira (2) no HCor com insuficiência respiratória e início de pneumonia. Alexandra chegou a ser estabilizada pelos médicos, mas o quadro respiratório voltou a ter complicações e ela não resistiu, segundo informações de um de seus melhores amigos, Jorge Abdalla, presidente da Associação Pró-Cura da ELA. "Estou muito triste, muito triste. Ela não podia nos deixar", afirmou Abdalla.

Na semana passada, Alexandra falou com a Folha sobre a falta, em todo o país, do medicamento Riluzol, o único indicado para a doença que a acompanhava havia décadas. A ELA é uma enfermidade que provoca a degeneração progressiva de neurônios, causando falência muscular e motora e dificuldades respiratórias.

Alexandra começou a sentir os impactos mais graves da doença há cerca de 20 anos, quando perdeu a capacidade de andar. Há cerca de seis anos, ela usava um respirador automático ligado a uma traqueostomia. Vivia sobre os cuidados de uma ajudante pessoal. Dedicou parte de sua carreira para defender direitos de minorias e de pessoas marginalizadas. Para se comunicar, a advogada usava um sofisticado programa de computador que permitia a ela digitar com o auxílio dos olhos.

"Minha irmã Alexandra, a maior guerreira que conheci perdeu a batalha para essa doença nojenta que é a Esclerose Lateral Amiotrófica. Ale, obrigado por tantos bons momentos na minha vida. Te amo para sempre!!!", escreveu o ator e empresário Luciano Szafir, irmão da advogada, em sua conta no Instagram.

O enterro da advogada será nesta sexta-feira (4) a partir das 13h, no Cemitério Israelita do Butantã.

Folha de S.Paulo

As Mais Visitadas

Prefeitos baianos do PMDB, DEM e outras siglas fazem fila de quase uma hora para tirar selfies com Lula

Ontem (19) pela manhã, o petista participou de um evento com mais de 60 prefeitos de cidades do interior baiano. Na plateia havia políticos de partidos como PMDB e DEM, que apoiaram o Senado investigasse a ex-presidente Dilma Rousseff e integram a base do governo Michel Temer. Quem via de longe pensava que as filas próximas ao palco para tirar uma selfie com Lula era da comunidade local, mas eram compostas na realidade por gestores das mais variadas correntes.Apesar das críticas de Lula ao atual presidente Michel Temer, os prefeitos formaram uma fila de quase uma hora para tirar fotos com o petista. Um prefeito do PMDB que pediu para não ter o nome divulgado explicou tanta admiração. Segundo ele, Lula é muito admirado no Nordeste e pode ser um grande cabo eleitoral para 2018.Lula usou um palavrão para criticar a situação econômica do País. "Este País é grande demais. Este País não nasceu para ser a m. que é", disse o ex-presidente que logo em seguida tentou se desculpar. &qu…

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…