Pular para o conteúdo principal

Fuga em massa leva pânico a Bauru/SP: 200 detentos fugiram

A prefeitura de Bauru, cidade do interior de São Paulo, suspendeu o atendimento à população hoje (24) entre meio-dia e 14h por causa da rebelião no Instituto Penal Agrícola. Agências bancárias, o Poupatempo e algumas lojas da região central também fecharam as portas.

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) ainda não confirmou o número de fugitivos. No início da manhã, o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) informou, entretanto, que 200 detentos estão foragidos. Segundo o 4º Batalhão da PM, 79 foram recapturados. A secretaria informou que a situação já está controlada.

Segundo a SAP, os presos recapturados foram levados ao Centro de Detenção Provisória de Bauru. A rebelião começou por volta das 8h30 com um desentendimento entre presos e funcionários da penitenciária. Houve tumulto quando um agente de segurança penitenciária surpreendeu um preso usando celular. Colchões chegaram a ser queimados e o Corpo de Bombeiros enviou sete viaturas ao local.

A secretaria informou que o Grupo de Intervenção Rápida, formado por agentes de segurança penitenciária, realiza, junto com a Polícia Militar, a contagem dos presos. Ninguém ficou ferido e não houve reféns.

A penitenciária tem capacidade para 1.124 internos, mas abriga 1.427 presos. O Instituto Penal funciona em regime semiaberto e está localizado na Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, altura do km 349, na zona rural, em uma área de de 240 alqueires. O local é cercado por alambrados, mas não tem muralhas e segurança armada.

"Na última saída temporária, que ocorreu no final de 2016 e início de 2017, 1.122 presos foram beneficiados e 1.074 retornaram. Hoje, 208 presos trabalham fora da unidade, exercendo atividades externas, outros 65 em empresas dentro da unidade e 358 trabalham em atividades de manutenção do próprio presídio", diz a nota divulgada pela SAP.

Agência Brasil

Comentários

As Mais Visitadas

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Joe Metheny, assassino em série que chocou a América

Joe Metheny, assassino em série que chocou a América, conhecido como “O Canibal”, fotografado dentro de uma cela em um hospital psiquiátrico, no início da década de 1990.O criminoso ficou conhecido por fazer hambúrgueres com carne humana. Em 1995 ele atraiu duas prostitutas, de 26 e 45 anos, esfaqueando-as e estrangulando-as. Segundo o próprio, “...cortei a carne, pus em Tupperwares e pus no congelador... Abri uma barraquinha para vender sanduíches de carne... A carne humana é parecida com a de porco, misturadas não se dá pela diferença...”Em 2000 foi condenado a prisão perpetua. (Via Imagens e Histórias)

O Verão da Lata: setembro de 1987

Imagens & Histórias O verão de 1987/88 foi marcado por um inusitado acontecimento, que começou na primavera, lançando moda e modificando a vida de muita gente. Numa manhã de setembro, as praias foram tomadas por latas de aço. Precisamente 15 mil delas. Dentro de cada uma, um quilo e meio de maconha, prensada e embalada a vácuo.A viagem seguia tranquila até que os tripulantes do cargueiro foram informados via rádio de que a Polícia Federal e a Marinha do Brasil já estavam cientes do conteúdo de sua carga – mais de 20 toneladas de maconha prensada, em latas cilíndricas de 2 quilos cada. Sabendo do problema que teriam caso a Polícia chegasse ao navio, a tripulação jogou ao mar todas as latas. Em pouco tempo as praias de São Paulo, Espírito Santo e principalmente as do Rio de Janeiro receberam suas primeiras latas perdidas. O Rio de Janeiro vivia uma das suas piores secas de maconha. As que eram vendidas eram de baixo THC e caras. No entanto, a que veio do mar não era a Cannabis Sativ…