Pular para o conteúdo principal

O Globo: Após polêmica, fotógrafo divulga foto oficial de Temer

O fotógrafo responsável pela foto oficial do presidente Michel Temer, Orlando Brito, divulgou nesta tarde ao GLOBO a versão definitiva do retrato que deverá ser adotado pelo governo em todas as repartições federais. Mais cedo, o publicitário Elsinho Mouco também havia divulgado uma foto, mas o Planalto informou que era uma versão “preliminar”. O Planalto não deu prazo para a definição final. A primeira versão, divulgada pelo publicitário, tinha um recorte visível na montagem da imagem do presidente com céu azul e a bandeira do Brasil. Na nova versão, além do recorte ter sido solucionado, a imagem também foi tratada.

Diferentemente das fotos oficiais anteriores dos presidentes, desta vez foi feita uma montagem, com um céu azul e a bandeira do Brasil também em destaque.

A faixa usada por Temer, que aparece na foto visivelmente envelhecida e com menos detalhes da que foi usada pela ex-presidente Dilma Rousseff, é considerada a mais histórica. Quando presidente, a petista mandou fazer uma faixa nova. A que Temer usa na foto é a mesma que aparece no peito do ex-presidente Lula no retrato oficial do segundo mandato. A faixa não está do lado avesso, ressaltou Brito, lembrando que ela é muito antiga e, por isso, tem as cores menos vibrantes.

Em setembro, após efetivar-se na Presidência com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, Temer disse em entrevista ao GLOBO que fotos oficiais em repartições públicas eram um "culto à personalidade" incompatível com a democracia.

— Sou meio contra pôr meu retrato nas repartições. Primeiro porque toda vez que vejo um retrato meu na parede parece que eu já morri (gargalhadas). Porque é um culto à personalidade que não é compatível com a democracia — declarou Michel Temer em 11 de setembro.

O Globo

Comentários

As Mais Visitadas

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

Joe Metheny, assassino em série que chocou a América

Joe Metheny, assassino em série que chocou a América, conhecido como “O Canibal”, fotografado dentro de uma cela em um hospital psiquiátrico, no início da década de 1990.O criminoso ficou conhecido por fazer hambúrgueres com carne humana. Em 1995 ele atraiu duas prostitutas, de 26 e 45 anos, esfaqueando-as e estrangulando-as. Segundo o próprio, “...cortei a carne, pus em Tupperwares e pus no congelador... Abri uma barraquinha para vender sanduíches de carne... A carne humana é parecida com a de porco, misturadas não se dá pela diferença...”Em 2000 foi condenado a prisão perpetua. (Via Imagens e Histórias)

O Verão da Lata: setembro de 1987

Imagens & Histórias O verão de 1987/88 foi marcado por um inusitado acontecimento, que começou na primavera, lançando moda e modificando a vida de muita gente. Numa manhã de setembro, as praias foram tomadas por latas de aço. Precisamente 15 mil delas. Dentro de cada uma, um quilo e meio de maconha, prensada e embalada a vácuo.A viagem seguia tranquila até que os tripulantes do cargueiro foram informados via rádio de que a Polícia Federal e a Marinha do Brasil já estavam cientes do conteúdo de sua carga – mais de 20 toneladas de maconha prensada, em latas cilíndricas de 2 quilos cada. Sabendo do problema que teriam caso a Polícia chegasse ao navio, a tripulação jogou ao mar todas as latas. Em pouco tempo as praias de São Paulo, Espírito Santo e principalmente as do Rio de Janeiro receberam suas primeiras latas perdidas. O Rio de Janeiro vivia uma das suas piores secas de maconha. As que eram vendidas eram de baixo THC e caras. No entanto, a que veio do mar não era a Cannabis Sativ…