Pular para o conteúdo principal

Moro usa Justiça e o Estado para constranger e intimidar investigados

E a história se repete. Mais uma vez, o juiz Sérgio Moro, usa a justiça e o aparato do Estado para intimidar e/ou constranger investigados por ele dentro do âmbito da Operação Lava Jato. Antes de ser mal compreendido, é bom deixar claro que na minha opinião, o juiz Sérgio Moro, prestou um grande serviço ao país ao começar a desvendar um grande esquema de corrupção que corrói há décadas o erário público. Palmas para ele e para o seu trabalho. Porém, de forma nenhuma, essa grande contribuição pode ser amparo para  o magistrado agir da forma que quiser para alcançar seus objetivos pessoais ou jurisdicionais.

Feita a ressalva, entro no tema e relembro ao caro leitor, os episódios que sustentam minha opinião que o magistrado erra ao usar a lei e seu poder para constranger e intimidar pessoas que estão sendo por ele investigadas, mesmo sabendo que mais na frente terá que voltar atrás, pois suas medidas, são limpidamente ilegais e inconstitucionais. 

Moro usa seu amplo lastro favorável junto a opinião pública para, por incrível que pareça, andar fora da lei, passear pela clandestinidade, e logo em seguida, pedir desculpas como se nada tivesse acontecido, e voltar ao Estado Democrático de Direito.

Não foi nada mais que isso que o douto juiz fez ao vazar grampos da então presidente da República, Dilma Rousseff para a imprensa com claro intuito de fustigar a opinião pública  e assim colaborar para que o Congresso Nacional desse mais um passo em direção ao golpe. Chamado atenção Pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o juiz pediu "escusas" reconhecendo que tinha errado, mas o seu objetivo já havia sido alcançado e o estrago era irreparável, como de fato foi.

Em seguida, o juiz repete a dose ao conduzir coercitivamente o ex-presidente Lula, que já havia estado em juízo prestando esclarecimento sobre as denúncias que responde, por tanto, não havia motivo para uma condução coercitiva que só pode ser usada, quando o investigado se nega a ir prestar o depoimento. O que não foi o caso.

Essa semana, Sérgio Moro, repetiu a estratégia. Desta vez contra o blogueiro Eduardo Guimarães, que mantém o Blog da Cidadania, e faz críticas a condução do juiz e do Ministério Público Federal a operação Lava Jato. Moro já processou pessoalmente o blogueiro e o MPF havia pedido investigação por Eduardo ter frustrado os planos da prisão de Lula, ao vazar o que estava acontecendo quando o juiz conduziu sob vara o ex-presidente. A investigação queria saber quem vazou a informação para o blogueiro. Ops, onde fica o sigilo da fonte garantido pela nossa Constituição? No lixo, pois o juiz Sérgio Moro violou mais esse direito.

E depois? O que ele fez? Extinguiu o processo contra o blogueiro alegando que: "Nesse contexto e considerando o valor da imprensa livre em uma democracia e não sendo a intenção deste julgador ou das demais autoridades envolvidas na investigação colocar em risco essa liberdade e o sigilo de fonte, é o caso de rever o posicionamento anterior e melhor delimitar o objeto do processo".

Confirmando que o objetivo da operação ilegal era unicamente constranger o blogueiro, o juiz ainda dá uma zoada com a cara de Eduardo ao dizer que ele informou a fonte sem ser coagido e que “um verdadeiro jornalista não revelaria jamais sua fonte”, concluiu o magistrado.

Sem coação? Data máxima vênia excelência, se ter a casa invadida pela Polícia às 6h, suas coisas reviradas, seus objetos pessoais levados, não ter direito a uma ligação para seu advogado, ficar incomunicável durante toda manhã (e Deus sabe o que aconteceu nesse período), não for coação. Tragam de volta o pau de arara.

Fonte: Marcos Wéric - Publicado em A União

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja