Pular para o conteúdo principal

Servidores fizeram festa com picanhas e camarões apreendidos

Servidores contaram com ajuda de agente da Polícia Federal para interceptar carga que depois foi distribuída entre eles

A operação havia sido um sucesso e a assessoria de imprensa da Polícia Federal conseguiu fazer barulho em torno da eficiência da ação em vários veículos de comunicação locais. Em 7 de maio de 2016, os agentes haviam interceptado em Foz de Iguaçu, na fronteira com a Argentina, uma carga de 500 quilos de picanha e 200 quilos de camarão pistola que entrariam no país sem os procedimentos sanitários e fiscais obrigatórios. O veículo foi apreendido e levado à Receita Federal enquanto a mercadoria foi para a sede do Ministério da Agricultura onde devia ser incinerada. O manjar, no entanto, nunca foi queimado e há indícios de que acabou nas churrasqueiras de fiscais do Ministério de Agricultura envolvidos no esquema de corrupção descoberto pela Operação Carne Fraca.

A artimanha para ficar com produtos que deveriam ser destruídos contou ainda com a colaboração do agente da Polícia Federal, Arlindo Alvarez Padilha, lotado em Foz de Iguaçu e que já tinha sido alvo em 2003 de uma operação sobre crimes de corrupção ativa e passiva e facilitação de contrabando. Padilha e o fiscal do Ministério da Agricultura Antonio Garcez, que inclusive chegou a dar entrevista à imprensa sobre a apreensão, tiveram várias conversas telefônicas sobre a carga – a chamavam de "informação"– nos dias posteriores à operação.

O juiz ressalta no seu despacho que “não é normal, efetivamente, que um agente da Polícia Federal, que realizou a apreensão de produtos alimentícios que adentravam irregularmente no país, convoque o chefe do serviço de vigilância sanitária em Foz do Iguaçu para deliberar acerca da mercadoria apreendida, destinada ao Ministério, de forma velada (“informação”) e de modo pessoal, evitando dar detalhes ao telefone”.

Os camarões e a carne, segundo o juiz, terminaram nas residências de Garcez e Padilha, mas também do fiscal agropecuário Edson Luiz Assunção, que montou uma comemoração com 15 quilos do marisco, segundo os investigadores. Estes ainda distribuíram a mercadoria entre outros colegas como um tal Carlos, fiscal do MAPA em Maringá (PR), Daniel Gonçalves Filho, ex-superintendente federal de fiscalização do Ministério e considerado chefe do esquema no Paraná, e Maria do Rocio, subordinada direta de Daniel e apontada como responsável de coordenar o esquema de emissão de certificados falsos e recebimento de propinas dos frigoríficos.

Além deles, duas semanas depois da operação, um outro fiscal poderia ter se beneficiado do manjar. O atual superintendente federal de Agricultura no Paraná, Gil Bueno Magalhães, foi flagrado pela Polícia Rodoviária Federal com 10 quilos de picanha quando voltava de Foz de Iguaçu num carro oficial do Ministério. Ao chegar em Curitiba, Gil, acusado ainda de afastar os fiscais que realmente incomodavam os frigoríficos, distribuiu a outros servidores as carnes trazidas da viagem, diz o juiz.

Há vários indícios, segundo o magistrado, que revelam que a prática de se apropriar de mercadoria nobre, mas sem os devidos certificados sanitários, não era rara. Um deles é a conversa de Gárcez com a mulher, Silvana, que além de conhecer o policial Padilha se interessa pela picanha argentina apreendida e questiona se já foi incinerada. O fiscal Garcez responde que ainda não, pois o dono da carne e dos camarões pode recorrer e que é preciso esperar. Outro indício apontado pelo juiz é o diálogo entre o policial e o fiscal no qual o primeiro lamenta ter perdido uma apreensão de cinco toneladas de camarão.

Padilha: Aquelas cinco toneladas de camarão para passar, passou ontem, rapaz

Garcez: Passou? Puta merda

Padilha: Eu e o Charlie, quase que pegava (sic) uma van aí, fiquei até as duas horas da manhã, aí para ver se…. E conseguiram escapar. Passaram pela mureta

El País Brasil

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

O saudoso Confiança E C de Sapé/PB

História Confiança Esporte Clube, agremiação esportiva de Sapé, no estado da Paraíba, fundada a 22 de abril de 1953. Resultado da divisão do Atlético, uma equipe amadora de Sapé. O nome do clube foi uma homenagem ao Moinho Confiança se propriedade de Genival Torres, que doou todo material esportivo, sendo inclusive um dos fundadores. Década de 90 A década de 90, foi o auge do clube. O clube se profissionalizou em 1996. Em seu primeiro ano de competição, no campeonato Paraibano, terminou em terceiro lugar. A forte equipe contava com grandes jogadores; Lúcio, Warlei, Washington Lobo, Ramiro, Betinho, Willian, Eduardo Luiz, Cícero, Reinaldo e Forly.
Em 1997, o Confiança consagrou-se campeão paraibano de futebol, sendo o primeiro - e até hoje, único - time do Brejo a conseguir a honraria. Declínio Após o título de 1997, o Confiança seria o representante paraibano na Copa do Brasil de 1998, mas abdicou da vaga, reapassando-a ao Botafogo/PB.
Com uma campanha fraca no campeonato Paraibano …