Pular para o conteúdo principal

TRATAMENTO DE CANAL: PORQUE NÃO DEVO TER MEDO?


Por: Diogo Paiva

Hoje iremos falar um pouco sobre uma das especialidades da Odontologia: a Endodontia (conhecida como tratamento de canal).

Muitas pessoas acabam tendo um pouco (ou muito) de medo de dentistas, basicamente por duas razões. A primeira é a não criação de um hábito de visitar o dentista regularmente desde a infância. O outro é a experiência negativa com a dor, seja ela causada pelo próprio dente ou gerada durante um procedimento odontológico.

O fato é que por conta de muitos comentários negativos (principalmente familiares submetidos àquelas duas situações anteriores) as pessoas acabam tendo um medo relativamente grande de se submeter a um tratamento endodôntico (canal).

Esperamos que com esse pequeno texto possamos tranquilizar as pessoas em relação a esse tipo de procedimento, visto que o objetivo dele é fazer com que o dente comprometido  possa permanecer na boca por mais tempo ou até por toda a vida. Isso se reflete em muitas vantagens para o indivíduo.
Primeiramente, vamos esclarecer quando há a necessidade do tratamento de canal. Essa necessidade pode se dar por uma causa inflamatória - um trauma (pancada por exemplo) no dente que gera inflamação no tecido pulpar; ou infecciosa - quando a cárie se estende em profundidade e atinge a polpa dental. O ideal seria que a cárie fosse tratada antes de atingir a polpa do dente, mas, infelizmente, por diversas razões, nem sempre isso se torna possível. Em qualquer uma das situações, podemos ter sintomatologia dolorosa ou não, por isso a importância das visitas regulares ao dentista.

A polpa dentária é o tecido mole que contém nervos e vasos sanguíneos. Ela está localizada no interior do dente e se estende da coroa  à ponta da raiz dentária.

De uma forma bem simples, o tratamento de canal consiste em fazer a remoção dessa polpa comprometida e colocar um material que vede o canal do dente, impedindo que novos microorganismos invadam esse espaço e contaminem novamente o seu interior. Dependendo do dente, podemos ter um ou mais canais, isso é definido pelo grupo ao qual esse dente pertence, bem como a anatomia individual inerente a cada pessoa.

Outro ponto importante é a restauração desse dente após a conclusão do tratamento do canal. Independente do material utilizado, uma boa restauração é essencial para o sucesso do tratamento.

Lembrando que todo o tratamento deve ser indolor, portanto, acabando com o mito que o tratamento de canal dói. Outra coisa que também fala-se muito é que esse procedimento enfraquece o dente. Bem, de uma forma geral, há uma diminuição da capacidade em resistir aos esforços mecânicos, principalmente na mastigação de alimentos muito duros. Isso vai depender do dano causado ao dente anteriormente ao procedimento endodôntico. O que  deve sempre prevalecer, é o bom senso quando for morder objetos ou alimentos de dureza considerável, isso evita possíveis fraturas e o insucesso na manutenção do dente tratado na boca.

Para fixar bem, lembre-se:
Visite regularmente seu dentista.
Procure tratar a cárie antes dela atingir a polpa dental
Proteja-se, inclusive seus dentes, na prática de esportes radicais ou perigosos.

Se por algum motivo houver a necessiade de um tratamento endodôntico, não se preocupe. É um procedimento que deve ser indolor e que tem como objetivo a manutenção do dente na boca

REFERÊNCIAS
HYPERLINK "http://www.colgate.com.br/pt/br/oc/oral-health/procedures/root-canals/article/ada-10-what-is-root-canal-treatment"http://www.colgate.com.br/pt/br/oc/oral-health/procedures/root-canals/article/ada-10-what-is-root-canal-treatment, acesso em 19/03/2017
HYPERLINK "http://www.endo-e.com/"http://www.endo-e.com/, acesso em 19/03/2017

LOPES, Hélio Pereira, SIQUEIRA Jr., José Freitas. Endodontia - Biologia e Técnica, 3ª edição. Guanabara Koogan, 01/2010.

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

De volta ao Brasil colonial (4)

(Fragmento do artigo de João Sicsú   disponível no site da CartaCapital)"Mais que o governo, o Estado se torna autoritário e violento. Todas as instituições que outrora deveriam constituir uma república democrática se voltam contra os trabalhadores. A Justiça, o governo, o Congresso, as polícias e os grandes meios de comunicação estarão todos a serviço da nova Coroa e contra os trabalhadores. Os cargos de comando nessas instituições são ocupados majoritariamente por integrantes de famílias tradicionais e conservadoras da elite local. E essa elite se desdobra para favorecer a nova Coroa e seus próprios interesses (de poder e patrimoniais).A elite colonizada se revela sem qualquer discrição: rouba, forma quadrilhas, paga e recebe propina, não atende necessidades básicas da população, saqueia o orçamento público e elimina direitos sociais. O Estado democrático, prestador de serviços e garantidor do bem-estar social desaparece. O Estado volta a ser autoritário, violento e perde a fu…