Pular para o conteúdo principal

“Estamos sozinhos”, desabafa radialista Marcos Sales na Araçá FM de Mari/PB

Revista Páginas - Firme, o radialista Marcos Sales da Rádio Comunitária Araçá FM do município de Mari na Paraíba, desabafou contra  'fakes', oposição ao governo e ao próprio governo municipal.

Em discurso forte na abertura do programa Liberdade de Expressão desta manhã (26). Nitidamente emocionado, Marcos Sales, desabafou e saiu em defesa da Rádio Comunitária. Sales repudiou os ataques sofridos nos últimos dias pelos chamados 'fakes' que estão migrando da internet para o rádio, que  através de participações por telefone aterrorizam os programas jornalístico da emissora comunitária.

Sistematicamente e estrategicamente existe uma grande pressão dos 'fakes' - oposição ao governo do atual prefeito -  para fechar a Rádio Comunitária Araçá FM, acusada de ser politiqueira. 

O radialista também não popou críticas ao silêncio do governo municipal com algumas situações. Referindo-se especificamente aos escrachos da oposição disparados na recente nomeação de uma assessora de comunicação. Para Sales o governo não aceita críticas.

"Estamos sozinhos"

Mostrando não temer nada! Sales falou da sua credibilidade, da sua luta à frente da Rádio Araçá. "Respondo a processos, respondo com colegas da Rádio a um dossiê do ex-chefe de gabinete, Dedé da Prefeitura, que nos acusam de ser larápio (ladrão) do dinheiro público".  Com um tom agudo.

"Não me vendo" 

O radialista relembrou uma proposta do ex-prefeito Marcos Martins. Segundo o radialista, o secretário da gestão de Martins, e atualmente vereador do município, Lói da Saúde, teria ido a sua residência para fechar o 'negócio' mas sem obter êxito!

Recentemente o Revista Páginas publicou uma matéria LEIA  mostrando um enfraquecimento anunciado do jornalístico da emissora comunitária, haja vista os ataques sofridos e o surgimento de outros veículos de comunicação na cidade.

Comentários

As Mais Visitadas

Ex-atriz da globo deixa vergonha de lado e fica completamente nua ao trocar biquíni em praia

Segundo fotógrafo que fez os cliques, Clariane Caxito estava posando para um catálogo de moda praia, por isso a desinibida troca de roupaClariane Caxito, atriz que participou do "Zorra Total" antes do programa ser reformulado, foi flagrada em poses bem indiscretas neste domingo, 22. Ela foi vista na praia do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, enquanto trocava de biquíni.Isso mesmo que você leu. Sem a menor cerimônia, a morena ficou com os seios à mostra no momento de mudar o sutiã e depois também trocou a calcinha, deixando absolutamente tudo de fora!Segundo o fotógrafo que fez os cliques, Clariane estava acompanhada por uma equipe de profissionais, enquanto posava para um catálogo de moda praia, por isso a troca de biquíni. Nas imagens, no entanto, nenhum sinal de outra pessoa, a não ser a "peladona da praia".Após a troca de biquíni, a morena foi se refrescar no mar e, antes de entrar na água, deu uma empinada estratégica no bumbum. EGO

De acordo com a CBF o Estádio O Tadeuzão em Sapé/PB é municipal

A Diretoria de Competições da CBF concluiu o Cadastro Nacional de Estádios de Futebol (CNEF) 2016. É um raio-X do cenário brasileiro, que tem 790 locais de disputa catalogados pela entidade.O documento de 97 páginas tem detalhes como a localização, proprietários, capacidade, iluminação e a ficha de cada estrutura. A Região Sudeste tem 260 estádios, sendo 132 municipais, 125 particulares e três estaduais. O Nordeste vem na sequência, com 241. O Sul conta com 144 e o Centro-Oeste com 85. Já a Região Norte tem 60.A maioria dos estádios (59,2%) é administrada pelos governos municipais. Os particulares preenchem a segunda maior fatia: 34,4%. Os estaduais são 5,9% e os federais apenas 0,5%.O cadastro inclui lugares que recebem jogos recreativos, amadores e profissionais em todas as esferas de organização, seja a partida menos expressiva de um campeonato municipal à final do Brasileirão. Por isso, esse relatório tem números curiosos, como os índices de estádios com (64%) e sem (36%) iluminaç…

Super Sam: a crítica social em Chapolin Colorado, em 1973

Além de satirizar os heróis norte-americanos, Chapolin trazia uma grande crítica social da América Latina. Afinal, ele era um herói “sem dinheiro, sem recursos, sem inventos sensacionais, fraco e tonto”, nas palavras do seu próprio criador. Mas por outro lado, mesmo sendo um grande covarde, o Chapolin também é valente por ser capaz de superar seu medo para ajudar a quem precisa.No seriado, a hegemonia dos países industrializados no mundo subdesenvolvido é simbolizada por meio de Super Sam, interpretado por Ramón Valdéz. O personagem é o paradigma do poderio norte-americano: uniforme semelhante ao do Superman, com direito ao famoso símbolo no peito do traje azul, e cartola com as cores da bandeira estadunidense. Como nunca fora chamado para ajudar alguém, suas aparições na série eram fruto da intromissão nas ações do Chapolin. Enquanto o herói mexicano tem sua marreta biônica como arma, o Super Sam carrega consigo "a arma mais poderosa" (um saco de dinheiro) e diz “Time is…