Pular para o conteúdo principal

Cabedelo está entre as 50 cidades pequenas mais desenvolvidas do Brasil

Cadedelo, na Grande João Pessoa

A cidade de Cabedelo está em 35º lugar como modelo de cidade pequena desenvolvida no país. A análise foi feita pela consultoria Urban Systems e compõe a pesquisa “As melhores cidades do Brasil para fazer negócios”, publicado na edição 1100 da revista Exame.

Com uma população estimada em 65.634 pessoas, pela média dos indicadores analisados, Cabedelo obteve nota de 4,345 (de 0 a 14). A cidade tem uma renda per capta de R$ 56.146,05. Seus moradores têm uma esperança de vida na faixa dos 74,31 anos e a taxa de analfabetismo é de 10,7%, entre a população de até 15 anos.  

A pesquisa foi produzida a partir de dados de 348 cidades com população entre 50.000 e 100.000 habitantes — enquadradas no conceito de "média-pequenas".

Segundo os dados, Cabedelo aparece no 35º lugar e é a única da Paraíba a figurar na lista das 50 cidades selecionadas. O ranking foi criado a partir da análise de 13 indicadores econômicos, como PIB per capita, crescimento dos empregos formais, importações e exportações.

Movimentação no Porto

O Porto de Cabedelo é a grande alavanca desse desenvolvimento do município. A movimentação de navios e cargas em outubro superou o mês de setembro em cerca de 45 mil toneladas de produtos. No mês de outubro, o porto recebeu nove navios, totalizando 103.213 toneladas, sendo cinco navios procedentes da Argentina, com cargas de trigo e malte; um vindo da Espanha, com carga projeto; e dois vindos de Salvador e Maceió, com derivados de petróleo. 

A executiva Gilmara Temóteo, presidente da Companhia Docas da Paraíba, autarquia que administra o Porto de Cabedelo, revela que o acumulado do ano até agora é de 1.080.867 toneladas de cargas e que os números poderiam ser superiores se não fossem os efeitos da crise que atingiu o país e o mundo este ano. 

Desde 2011, o último trimestre de cada ano vem sendo mais favorável à movimentação de mercadorias. “Este ano não vai ser diferente, como se pode ver na movimentação de outubro, que tivemos como destaque três navios de trigo e outro de malte. Acreditamos que esse crescimento continue e para isto estamos tratando com alguns empresários a possível chegada de novas operações”, destacou Gilmara Temóteo. 

Granito da Paraíba

No dia 4 de outubro, o navio “Quetzal Arrow”, de bandeira Bahamas, embarcou em Cabedelo 10.133 toneladas de granito, com destino à Itália. Os demais navios que atracaram em outubro têm bandeiras de Hong Kong, Ilhas Marshall, Cingapura, Líbia e Panamá. As cargas movimentadas em outubro superaram setembro em 44.962 toneladas. 

No mês de setembro, o Porto de Cabedelo recebeu quatro navios, sendo um procedente dos Estados Unidos, que desembarcou 9.794 toneladas de petcoke. Os outros três navios trouxeram de Salvador um total de 48.457 toneladas de derivados de petróleo. 

Operação Ship to Ship 

Em 2016, o Porto de Cabedelo deverá aumentar em cerca de 50% a movimentação de derivados de petróleo. Isto será possível com a implementação do sistema operacional chamado Ship to Ship, resultante de parceria entre o Governo do Estado, por meio da Companhia Docas da Paraíba, e a Petrobras. Esta operação compreende na atracação de dois navios a contrabordo em um mesmo berço, transferindo por operação até 50.000 toneladas de derivados de petróleo entre eles. 

Esta semana, uma equipe de técnicos da Petrobras participa de reuniões no Porto de Cabedelo com a equipe da Companhia Docas da Paraíba para discutir a Operação Ship to Ship. “O pessoal estará conosco em reuniões até quinta-feira para construirmos a agenda positiva dessa operação em 2016”, pontuou Gilmara. A Capitania dos Portos também participará das reuniões.

 Da Redação
Via: Portal Correio

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja