Pular para o conteúdo principal

AG volta a taxar prefeito de Mari de “enganador” e provoca: “Dedé diz o que o Marcos manda, meu debate é com o prefeito”


O ex-Prefeito de Mari, Zona da Mata da Paraíba, Antonio Gomes, concedeu entrevista na Rádio Constelação FM pelos radialistas Levi Ramos e Tony Souza neste sábado (23) quando na oportunidade abordou diversos assuntos relacionados a cidade e a política local.

Assim como disse a Revista Expresso, em entrevista no mês passado, Antonio Gomes voltou a taxar o prefeito Marcos Martins de ‘enganador’ e elencou uma série de pessoas que afirmam terem sido enganadas pelo atual prefeito na campanha de 2012. “Pra ganhar uma eleição mentindo, eu prefiro perder, estou tranquilo porque estou com a consciência em paz, ninguém vai dizer na minha cara que eu sou um enrolão, mentiroso, enganador”, afirmou.

Durante a entrevista o suplente de vereador Dedé da Prefeitura – como é conhecido – ligou para questionar o ex-prefeito, acusando-o de ter deixado o mês de dezembro atrasado, ter deixado de repassar os descontos dos empréstimos consignados dos servidores e afirmando que tudo foi pago pelo atual prefeito.

A participação de Dedé foi ironizada por Gomes: ” Dedé diz o que o prefeito manda, quero debater é com ele, mas Dedé tem que fazer isso mesmo, agradar o prefeito. Dedé é um quarto suplente que assumiu passando na frente de três suplentes, então tem que agradar mesmo”, ironizou.

Com relação a salários atrasados o ex-prefeito negou veementemente que tenha deixado qualquer pagamento de servidor em atrasado. “Pagamos novembro dentro do mês trabalhado, pagamos o 13º no dia 20 de dezembro, conforme a lei, e dezembro pode ser pago até o 5º dia útil do mês subsequente, portanto não sai devendo como vocês tentam me acusar”, assegurou.

O radialista Levi Ramos questionou se Antonio aceitaria um debate com o prefeito e o ex foi rápido e enfático: “eu debato com ele cara a cara, mas ele não tem coragem de me enfrentar, eu enfrento ele em qualquer debate”.

Sobre os processos dos quais Dedé também o acusou de estar respondendo e sua impossibilidade de ser candidato, Antonio Gomes afirmou que só não será candidato se mandarem matar ele e foi categórico ao dizer que os processos que responde todos foram denunciados pelo atual prefeito.

“Eu entregue a prefeitura a um inimigo, eu não entreguei a prefeitura a um adversário não, então ele está procurando todas as formas de me prejudicar, tanto que ao invés de administrar vive maquinando contra mim, enquanto isso a gestão está ai abandonada”, afirmou.

O ex-prefeito Antonio Gomes voltou a pregar a unidade das oposições para tirar a cidade do caos em que se encontra e conclamou o povo para virar uma página da história de Mari onde poucos se beneficiam das benesses do poder público em detrimento de toda uma população.

Da Redação 
Via: ExpressoPB

 

As Mais Visitadas

Vergonha do que fizeram com Fábio Assunção

(Ou, sobre empatia, compaixão, solidariedade). (Fabrício Carpinejar)Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrio e serenos, com consciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa. Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silenciosamente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus …

Mari e Sapé na PB; universitários revelam situação do transporte municipal para as faculdades

Revista Páginas - Universitários da cidade de Mari e Sapé, ambos localizados na zona da mata da Paraíba, que necessitam utilizar os ônibus que as prefeituras dos municípios citados acima disponibilizam não estão nada satisfeitos. Por meio das redes sociais os estudantes denunciam a situação precária do serviço oferecido.Foto 1: Alunos da cidade de Mari.Segundo relatou a universitária Marcela Monteiro em seu perfil no Facebook, ela foi "obrigada" a fazer o trajeto de ida e volta para João Pessoa, dividindo a poltrona com outros dois colegas. Não há acentos disponível para a demanda. A universitária revelou que a secretária de educação foi procurada e não conseguiu uma solução para o problema. Foto 2: Alunos da cidade de Sapé.Na cidade de Sapé, cerca de 20 alunos são transportados em pé todas as noites, no ônibus que os levam para a IESP Faculdade. Conforme escreveu nas redes sociais Quelfn Antônio ao esplanar o problema. "Risco de quedas e de se machucarem, sem contar co…

Em legenda de transmissão ao vivo, Câmara Municipal de Sapé/PB comete erro de português e internautas não perdoam

Um erro de português na legenda de uma transmissão ao vivo da Câmara Municipal de Sapé deu o que falar nas redes sociais.Ao anunciar a realização da sessão itinerante que estava acontecendo no distrito de Inhauá, o responsável pela atualização das redes sociais cometeu uma gafe, trocando a palavra ‘itinerante’ que significa aquilo que se movimenta de um local para outro, exercendo algum tipo de função, trabalho, ofício, por ‘intolerante’, que corresponde a quem não aceita uma opinião contrária à sua.Rapidamente o erro foi percebido pelos internautas que nos comentários da publicação informavam sobre o equívoco.Em um aplicativo de mensagem foi grande a repercussão sobre a gafe da Câmara, em um dos áudios, um morador de Sapé chega a dizer que a palavra intolerante veio bem a calhar com a maneira de gerir do presidente da Casa, Johni Rocha (PSDB). Informações do Blog do Ninja